infinite-scroll

Rolagem contínua em sites de notícias ajuda a conter taxa de rejeição

No site da Time, o loop infinito ajuda a manter a navegação de visitantes que vieram de redes sociais

22.jul.2014

Ao acessar uma determinada matéria nos sites da Time.com, NBCNews.com ou LATimes.com, o leitor hoje se depara com um design diferente, e com uma barra de rolagem que é quase infinita. Ao encerrar uma matéria, basta continuar rolando para ver mais uma, e mais outra.

Essa estratégia tem como intuito conter a taxa de rejeição dos sites de notícias, métrica que dá conta do número de usuários que acessam o link, leem apenas a notícia em questão, e depois vão embora, sem navegar por outros conteúdos. Essa ‘armadilha’ parece ter dado certo – o Time.com relata uma queda de 15% na sua taxa de rejeição, além de um aumento de 21% no número de visitantes de desktop que navegavam para outros conteúdos do site.

Esse novo modelo de usabilidade dos sites surge devido a um aumento do acesso proveniente de redes sociais, que remetem a audiência para um artigo em especial, e não para a página principal. Com isso, é preciso pegar o visitante pela mão e leva-lo a outros conteúdos da publicação, ou trazer às páginas internas pequenos conteúdos que convidem para a navegação para outros artigos. A ‘rolagem infinita’ auxilia nesse processo, já que basta continuar rolando a página para ser impactado por novos conteúdos.

infinite-scroll-mobile

A diferença fica por conta do que cada publicação mostra na sequência de rolagem contínua: na Time, são as principais notícias do dia; na NBC News, são matérias relacionadas à que levou o leitor para o site, o que causou um aumento de 20% nas páginas vistas por visitante; e no LA Times, a tendência é manter o visitante na mesma seção da matéria que ele começou a ver, mas existe também a opção de mostrar outros cadernos relacionados.

É preciso pegar o visitante pela mão e leva-lo a outros conteúdos da publicação, ou trazer às páginas internas pequenos conteúdos que convidem para a navegação para outros artigos

compartilhe

No Brasil, uma medida semelhante foi tomada pelo Terra em seu novo design, apresentado há poucos meses. Ao acessar uma matéria específica do portal, o leitor que rolar a página ganha quase que uma ‘página principal’ depois da notícia que leu, ajudando a convidá-lo a outros conteúdos.

Será que a medida realmente ajuda a manter o leitor consumindo outras notícias, ou os usuários vão se acostumar com esse comportamento do site e parar a rolagem logo no final da matéria que queriam ver?

Comente

  • Não mencionar medium.com como precursor desse modelo de UX é sacanagem.

    • Medium tem conteúdo muito mais relevante que os portais de noticias. Gosto dele. E realmente não mencionar o Medium, foi uma pisada de bola.
      Eu, na minha opinião em relação aos portais de noticias, parece que ficou tudo muito desorganizado, eu não consigo ficar nem 2 min portal do terra. Pra mim a experiência foi inversa.

      • Helio Osako

        Concordo. No terra, os boxes de noticias parecem todos “jogados” uns em cima dos outros, de forma meio aleatória. A orientação de leitura linear fica totalmente comprometida, e acabamos por ficar caçando os boxes um a um no campo visual, até desistir.

    • jacquelinelafloufa

      Oi, Igor,
      Antes do Medium, outros sites também ofereciam esse modelo de rolagem, como Twitter e Facebook. Eu poderia ter citado também o tumblr, mas a intenção dessa matéria era apenas ressaltar o que é feito atualmente com sites de notícias.

      Eu também gosto muito do Medium, mas ele não é utilizado para publicação de notícias, e sim de artigos e outros tipos de conteúdo, e acho que seria injusta a comparação.

      Vale destacar também que hoje o Medium não usa a rolagem contínua nas ‘páginas internas’ – um próximo artigo é sugerido no fim da página, mas é preciso clicar para seguir a leitura.

      Obrigada pelo comentário!

  • ph

    Qual a fonte da notícia?

    • Luiz Gabriel Cardozo

      VIA POYNTER, no fim da materia

  • Luiz Rodrigues

    Acho que você perde a referência para procurar a notícia em um outro momento. “Poutz onde está aquela notícia que tinha visto ?!?!”. Paginação é importante nesse quesito, te ajuda a saber onde você foi/está. Fora tambem, que no code, vc precisa fazer muitas “gambiarras” para sumir com o conteúdo depois que ele foi visto… imagine 20 mil noticias carregadas no seu navegador…

  • Marcondes Borges

    Olá Jacqueline, acho que as mídias digitais tem de se reinventar mesmo, se não fosse isso seria outro tipo de mudança, o fato é que o internauta é sedento por novidade. Acredito que num primeiro momento o leitor irá testar a novidade, rolando e descendo as notícias, mas com o passar dos dias irá perceber a estratégia do site e acabará saindo. Dependendo da aplicação a rolagem infinita é bem mais óbvia e prática, falando de redes sociais, o mais recente a aderir a isso foi o Instagram, no botão de explorar agora basta descer infinitamente, pra ver o que rola pelo mundo, antes tinha de se clicar em atualizar para carregar novas fotos. Acertaram em cheio. Abç

  • Fabricio Martins

    Gosto muito dessa forma de interação, porem concordo que caso o usuário queira marcar em qual página o conteúdo foi encontrado fica um pouco mais complicado. Sobre o numero de notícias carregados no navegador, pode ser resolvido por requisição a cada scroll, por exemplo, em um site dinâmico que é o site do terra.

    A proposta do terra realmente é interessante, contudo ele ficou muito confuso para o usuário mesmo.

    Sou UX/UI Designer e atualmente estou trabalhando em um projeto no qual trabalho as duas opções, sendo scroll infinito, porem o usuário controlando as solicitações de notícias e para um resultado de busca uso a paginação, pois fica mais fácil do usuário encontrar o conteúdo que interessou em uma experiência anterior.

  • Leo

    Eu particularmente não gosto. Principalmente quando “chego sozinho” a pagina inicial, tenho o habito de rolar até o fim lendo todos os destaques e depois entro nas matérias que me interessam e assim ter uma leitura mais profunda.

  • A solução foi baseada em métricas e vale sim como uma hipótese válida (até porque esses veículos comercializam espaços publicitários e ter um controle sobre a taxa de rejeição é importante).

    Antes que essa técnica vire uma tendência por aí, penso que é preciso analisar o tipo de conteúdo e site, pois não é qualquer um que deve implementá-la. E o mais importante, é sempre bom analisar o contexto em que o usuário/leitor está. Essa abordagem serve muito bem para tablet/mobile porém no desktop, a experiência de navegação é um pouco diferente.

    É questão de análise, teste e validação (e em algusn casos, gosto mesmo!).

  • Acredito que funcione bem se for levada em consideração a liquidez do site nos diferentes dispositivos. A navegação no Desktop é diferente dos Tablets e Smartphones. No primeiro o sistema de exibição possui vários artigos na página inicial, tornando-a uma “vitrine” mais interativa. Já nos Mobiles, devido ao tamanho reduzido das telas, menos conteúdo seria exibido, causando um engajamento menor e automaticamente aumentando os índices de rejeição. Este formato então é muito bem vindo nos mobiles, levando em consideração o constante aumento do uso destes dispositivos.

    DM Garbosa

  • Renato Rocha

    E como fica o espaço para comentários? Não tem?

    • Mateus

      Geralmente antes de uma nova notícia.

  • Leandro

    Ótimo artigo Jacqueline!

    Vale ressaltar que existem diversos tipo de taxa de rejeição (por tempo, página, interação etc). Dependendo de como a página está estruturada e tagueada essas taxas tendem a ter diferenças grandes mas que não refletem realidade.

    No caso da matéria você dar as notícias uma atrás da outra diminui qualquer tipo de taxa de rejeição mesmo.