Clicky

Risqué escorrega com coleção com nomes de homens e lida com crise no Twitter #homensrisque

A internet não perdoou e o assunto chegou aos trending topics do país

23.mar.2015

Antes de pensar “lá vem mais um post feminista do B9”, pense “lá vem mais uma marca descendo a ladeira do mau relacionamento com o público feminino”. Porque é isso que, mais uma vez, vemos acontecer.

As mídias sociais acordaram em polvorosa nesta segunda-feira com a notícia de uma nova linha de esmaltes da Risqué, chamada “Homens que amamos”.

Cada nova cor trazia uma ~homenagem~ à atitudes ~românticas~ de homens. São cores como “João disse eu te amo”, “Guto fez o pedido!!”, “Zeca chamou para sair”, “Fê mandou mensagem”, “André fez o jantar”, “Leo mandou flores”, que irritaram o público feminino – afinal, será que alguma dessas atividades é passiva de homenagem? Será que isso não é um mínimo? Será que fazer o jantar, algo que muitas mulheres fazem diariamente, trabalhando fora de casa ou não, deveria ser digno de homenagem entre os homens?

risque-homens-3

Na página de apresentação da coleção (ainda no ar), a Risqué destaca que essa coleção é um “tributo aos pequenos gestos diários dos homens”. Pera, que a Stephanie Noelle tem a imagem perfeita para simbolizar essa preocupação da Risqué em agradecer que o Fê mandou mensagem.

tributo

Parece algo banal, mas não é, e a resposta das moças foi em tom sarcástico – em torno da hashtag #homensrisque, elas começaram a levantar uma série de ‘outros tipos de homem’ que poderiam ter sido elogiados pela Risque, caso a coleção tivesse mais cores.trending-topics-homens-risque

“Antônio acha que lugar de mulher é na cozinha”, “Beto não contrata mulher porque acha que licença maternidade é desperdício”, “Gabriel divide as mulheres que conhece entre para casar e para trepar”, e assim vai.

A lista é grande, mas trazemos uma breve coleção aqui para vocês entenderem quão má recebida foi a campanha. Tão má recebida que o assunto rapidamente chegou aos trending topics nacionais do dia.

Esse recorrente deslize das marcas – outro dia mesmo era a Skol errando a mão assim – que faz inclusive surgir no mercado espaço para consultorias especializadas em falar com o público feminino, como o Plano Feminino e Think Eva. É engraçado pensar que precise existir uma consultoria para evitar deslizes e escorregadas como essas, mas é um fato (e talvez uma proposta que contorna a possível falta de diversidade das equipes de marketing). Com a internet, a via é de mão dupla, e a insatisfação das mulheres com o tipo de comunicação feita para elas acaba exposta em praça pública, causando estardalhaço nas redes sociais.

As meninas do Lugar de Mulher inclusive sugeriram quais poderiam ter sido nomes mais interessantes para a campanha, e mais alinhados com assuntos que as mulheres se importam: “Lúcio paga a pensão”, “Eduardo cansou de racismo”, “Vinícius é abortista”, “Otávio defende a lei do feminicídio”, “Vitor respeita as mina”.

corrigido1

Quer dizer, as marcas precisam pensar mais um pouco antes de lançar campanhas questionáveis no quesito “relacionamento com as mulheres”. Não teria sido MUITO melhor publicar uma coleção com as mulheres fodas? Essa é uma das sugestões que circulou pelas redes sociais, saca só:

11087399_10200507232759068_8527528340651444825_o

Até o momento, a Risqué não respondeu ao B9 sobre quais serão os próximos passos da marca com essa campanha.

Atualização às 18:40: A Risqué respondeu ao B9 sem esclarecer se está tomando quaisquer medidas frente à crise enfrentada nas redes sociais. Reproduzimos abaixo o único trecho do posicionamento oficial da marca que menciona a campanha em questão:

“A coleção ´Homens que Amamos´ foi inspirada em gestos de carinho e respeito vindos de pessoas que amamos. A marca considera todo tipo de discussão positiva e reafirma que está sempre atenta aos comentários de seus consumidores”

Também no B9

Comente