Oscar 2016

Oscar 2016: entre o retrocesso e o regresso

Quem deve levar o pequeno homem dourado no ano mais imprevisível (e polêmico) dos últimos tempos

26.fev.2016

Retrocesso

Quatro minutos e trinta e cinco segundos: é essa a duração do curto vídeo que reúne todos os vencedores negros da história do Oscar, com direito a cenas dos filmes que renderam suas indicações e trechos de seus discursos de agradecimento. A um só tempo, a falta de representatividade na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas é falha histórica, problema crônico e sintoma de uma indústria que ainda se recusa a reconhecer a diversidade.

Pelo segundo ano consecutivo e pela primeira vez desde o biênio 1998-99, todos os indicados nas categorias de atuação são brancos. “Straight Outta Compton”, cinebiografia do grupo de rap N.W.A., foi lembrado apenas pelo trabalho de seus roteiristas — brancos. “Creed: Nascido Para Lutar”, carregado pela força de Michael B. Jordan e a direção segura de Ryan Coogler, ambos negros, acabou recebendo somente uma indicação, para seu ator coadjuvante — branco. Idris Elba, tratado como um dos potenciais concorrentes no início da temporada, se tornou o primeiro da história a levar o prêmio do Sindicato dos Atores e sequer ser indicado ao Oscar, juntando-se às omissões mais claras de 2015, como David Oyelowo e Ava DuVernay (respectivamente, protagonista e diretora de “Selma”).

A falta de representatividade na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas é falha histórica

compartilhe

Muito em função da pressão exercida por figuras como Spike Lee e Jada Pinkett Smith, que conduziram a campanha #OscarsSoWhite a outro patamar, mudanças com o intuito de promover uma renovação no quadro de membros da Academia foram anunciadas nas últimas semanas, mas os gritos por boicote ainda ecoam, com promessas de marchas em diversas cidades americanas, incluindo Los Angeles, sede da festa, e enorme expectativa pela atuação de Chris Rock, apresentador desta edição.

A raiz do problema, no entanto, segue carente de solução. Faltam, na indústria, papéis e oportunidades que correspondam à variedade de posições ocupadas por não-brancos em todos os segmentos da sociedade. É alarmante notar, por exemplo, que as três últimas atrizes negras premiadas (Lupita Nyong’o, Octavia Spencer e Mo’Nique) venceram por papéis que podem ser resumidos, nesta ordem, como escrava (“12 Anos de Escravidão”), empregada doméstica (“Histórias Cruzadas”) e mãe abusiva (“Preciosa”).

Igualmente estarrecedor é perceber de que o Oscar entrou na contramão da história nos últimos anos.

O progresso da virada do século, evidente pelo salto no número de indicações para não-brancos (foram 17 nos anos 90 e 29 nos 2000), agora chega a um momento complicado. Passada mais de metade da atual década, apenas sete negros (de um total de 120 profissionais indicados) foram lembrados nas quatro categorias de atuação, e somente dois subiram ao palco para buscar uma estatueta.

O retrocesso se torna gritante na comparação com o passado recente. Em entrevista ao programa Good Morning America, Will Smith comentou o problema com base em sua experiência: nas duas vezes em que foi indicado, em 2002 e 2007, o ator perdeu para colegas negros (Denzel Washington e Forest Whitaker). “Para mim, aquilo foi gigante. Mas parece que estamos indo na direção errada”, disse.

Hoje, um cenário como este parece utópico, e avaliações semelhantes ou ainda mais desoladoras podem ser feitas no que diz respeito a outras minorias, como latinos (Iñárritu é o único nas principais categorias) e pessoas LGBT (a artista Anohni, autora da canção de “Racing Extinction”, se tornou a segunda transexual indicada ao prêmio na história, mas não foi convidada pela Academia para se apresentar na cerimônia, como farão Lady Gaga, The Weeknd e Sam Smith, e escreveu uma carta poderosa anunciando boicote).

A urgência da busca por maior representatividade é uma questão de humanidade. Do contrário, a realidade continuará sendo uma seleção de indicados “mais branca que uma luta entre um Yeti e Tilda Swinton debaixo de uma nevasca”, nas palavras do apresentador e comediante John Oliver.

Oscar

O Regresso (e outras coisas)

Tratando dos indicados nas principais categorias e sem o intuito de necessariamente prever o futuro, algumas curiosidades saltam aos olhos. Caso confirme o favoritismo e desbanque George Miller (“Mad Max: Estrada da Fúria”), Alejandro G. Iñárritu (“O Regresso”) se tornará apenas o terceiro diretor premiado duas vezes consecutivas, unindo-se a John Ford (“As Vinhas da Ira” e “Como Era Verde Meu Vale”, 1940-41) e Joseph L. Mankiewicz (“Quem é o Infiel?” e “A Malvada”, 1949-50). Outro que deve se tornar recordista é Emmanuel Lubezki, favorito a conquistar o prêmio de melhor fotografia pela terceira vez seguida, após vitórias por “Gravidade” e “Birdman”. Ele deverá somar mais uma estatueta na conta de “O Regresso”.

A ansiedade que têm ocupado as discussões deste ano é compreensível, mas injustificada: aos 41 anos, DiCaprio ainda deve ter uma longa estrada repleta de troféus pela frente

compartilhe

Leonardo DiCaprio, o protagonista do filme, deverá mesmo conquistar seu primeiro Oscar após cinco indicações (três como ator principal, uma como coadjuvante e outra como produtor). A ansiedade que têm ocupado as discussões deste ano (e a internet) é até compreensível, mas parece injustificada: aos 41 anos, ele ainda deve ter uma longa estrada repleta de troféus pela frente. Na comparação com nomes históricos do cinema, a pressa faz ainda menos sentido. John Wayne e Henry Fonda só ganharam o Oscar depois dos sessenta, Paul Newman ganhou um honorário antes de ganhar um de verdade e o próprio Jack Nicholson, que é um dos recordistas entre os homens, com doze nomeações e três vitórias, ganhou seu primeiro quando tinha quase 40 anos, bem próximo da idade que DiCaprio tem agora.

Oscar

“O Regresso” é líder no número de indicações, aparecendo em 12 categorias. O segundo filme mais celebrado é “Mad Max”, com dez. Curiosamente, nenhum deles aparece entre os roteiros, que têm “Spotlight” (original) e “A Grande Aposta” (adaptado) como francos favoritos. Das cinco adaptações, aliás, apenas Carol não emplacou como melhor filme; já entre aqueles escritos para a tela, há três longas nessa condição: “Straight Outta Compton”, “Ex Machina” (também indicado em Efeitos Visuais) e “Divertida Mente” (aposta segura entre as animações).

Sylvester Stallone deverá receber as honras e repetir o momento de aclamação já visto no Globo de Ouro

compartilhe

Certeira também parece ser a vitória de Brie Larson (“O Quarto de Jack”) como melhor atriz. Ela pode se tornar a primeira desde Sandra Bullock (“Um Sonho Possível”), em 2010, a conquistar o prêmio na categoria logo em sua primeira indicação pela Academia. Entre as coadjuvantes, é mais difícil ter tantas certezas. Alicia Vikander (“A Garota Dinamarquesa”), que também nunca havia sido indicada, surge como favorita após o prêmio do Sindicato dos Atores, mas pode sofrer por ter trocado de categoria durante a temporada — ela havia sido lembrada como atriz principal no Globo de Ouro e no BAFTA. Em ambos os casos, quem venceu como coadjuvante foi Kate Winslet (“Steve Jobs”), que aparece logo atrás na corrida ao lado de Rooney Mara (“Carol”).

Entre os homens, Sylvester Stallone (“Creed”) deverá receber as honras e repetir o momento de aclamação já visto no Globo de Ouro. É apenas a terceira indicação ao Oscar de sua carreira, mas alguns fatos já são dignos de nota: em 1977, com “Rocky: Um Lutador”, ele se juntou à dupla formada por Charles Chaplin (“O Grande Ditador”) e Orson Welles (“Cidadão Kane”) por ter sido lembrado como ator e roteirista no mesmo ano. Agora, se junta a outro seleto grupo: o de atores indicados duas vezes pelo mesmo personagem. Bing Crosby, Peter O’Toole, Al Pacino, Paul Newman e Cate Blanchett haviam conseguido o feito antes do lutador.

Comente

  • Arthur Henrique

    Infelizmente temos um caso de falta de representatividade, sim, não é por merecimento que os atores negros não estão aí, Samuel L. Jackson está melhor que Matt Damon. Idris Elba está melhor que Mark Ruffalo. Ryan Coogler, na minha visão merecia estar ali também.
    Porém não penso que a Academia seja especificamente racista, mas sim um reflexo da sociedade, das câmaras de deputados e senado por exemplo. O argumento de atores negros vencerem com mais frequência nos últimos anos também não convence.

  • gandralf

    Vem com a titia Isabela http://isabelaboscov.virgula.uol.com.br/index.php/2016/01/26/de-bronca-com-o-oscar/

    7: E o barulho deste ano por causa da falta de indicados negros?

    De novo: os votantes da Academia estão tão sujeitos ao assunto do momento quanto qualquer outra pessoa. Em 2013, 12 Anos de Escravidão monopolizou os comentários na imprensa. A Academia reagiu, em 2014, dando ao filme dez indicações com três vitórias, inclusive na categoria de melhor filme. Ele era o melhor filme do ano? Não – se o critério fosse o mérito indisputável, a estatueta teria ficado com O Lobo de Wall Street ou com Gravidade. Mas a sensação de que era necessário premiar um filme “importante” foi mais forte. Em 2015, o barulho foi outro: só se falou da diferença entre os cachês pagos às mulheres. Ninguém “lembrou” aos votantes de buscar ativamente indicações para intérpretes e realizadores negros – e o páreo ficou 100% branco.

    8: Isso é racismo?

    É mais insensibilidade ou mesmo casualidade do que racismo. Primeiro: é bom lembrar que também não há latinos, asiáticos ou pessoas de qualquer outra procedência entre os indicados – e a porcentagem de latinos entre a população americana é maior que a porcentagem de negros. Mas Spike Lee e Jada Pinkett Smith gritaram primeiro e mais alto, e caracterizaram o quadro de indicados como uma suposta rejeição aos negros no Oscar; sobre a ausência de atores com outras tonalidades de pele não se disse uma palavra.

    Segundo: a Academia faz parte de algo bem maior que o cinema, que é a indústria de entretenimento – e as premiações que incluem televisão indicaram e premiaram muitas pessoas de cores variadas. Hoje em dia a TV é, sim, muito mais diversificada que o cinema, porque ela abrange muito mais formatos, temas e gêneros. O cinema está entrincheirado entre a pequena produção independente e a superprodução de estúdio; todos os enredos que ficariam entre esses extremos foram parar nas séries de TV.

    9: Mas atores e atrizes de outras cores não foram mesmo injustiçados?

    Fui conferir com atenção a lista de filmes lançados em 2015. Velozes e Furiosos 7 tem gente de todas as cores e jeitos, mas vamos combinar que os méritos do filme não são exatamente dramatúrgicos. Michael Peña é um dos pontos altos de Homem-Formiga, mas só por milagre filmes de super-herói rendem indicações. Michael B. Jordan se saiu bem em Creed, mas não tanto que o qualifique como um dos cinco melhores do ano. Will Smith recebeu elogios por seu desempenho em Um Homem Entre Gigantes, mas o filme em si foi muito criticado e não agradou – o que quase sempre inviabiliza a indicação do protagonista. E as regras da Academia inviabilizaram qualquer indicação para Beasts of No Nation. Eu, pessoalmente, senti falta de indicações para Samuel L. Jackson por Os Oito Odiados e para Benicio Del Toro por Sicario – mas quem já viu Juventude, do italiano Paolo Sorrentino (eu ainda não vi) também não se conforma por Michael Caine ter sido esquecido

  • #MeuTriplexMinhaVida

    Se nenhum negro concorreu e porque nenhum mereceu.

    • Adriano Marques

      Assiste Creed e Beasts of No Nation

      • #MeuTriplexMinhaVida

        Não mereceu mesmo. Existem atores afro-americanos brilhantes como Will Smith, Cuba Gooding JR, Edin Murphy entre tantos outros mas esse ano não mereceu simples assim ou você acha que ator deve ganhar oscar pela cor da péle?

        • Adriano Marques

          Cara, não é questão de ganhar. É questão de reconhecer. Você assistiu os filmes? Realmente achou que eles não mereciam uma indicação? O Samuel Jackson, o Will Smith mesmo, O cara do Beasts of No Nation, o cara do Creed, você viu essas atuações? Acha realmente que um deles não mereciam uma indicação?

          • #MeuTriplexMinhaVida

            E Você acha que um ator tem que ser indicado por ser negro ou não? Não faz nem 20 anos atraz que negros eram humilhados na africa no sul e esses atores com mimimi porque não foram indicados? VÃO PRA PUTA QUE PARIL!

          • Adriano Marques

            Cara, esses caras que eu citei aí mereciam ser indicados pq eles foram foda nas suas atuações e não pq são negros, tá difícil entender isso? E não é mimimi não cara, isso é a luta pela representatividade. E se você parar pra pensar um pouquinho, quem tá de mimimi é você, se incomodando pela luta dos outros.

          • #MeuTriplexMinhaVida

            Engraçado, eu sou branco, quando namorei negra a familia dela me olhava torto, pensava ate que os irmãos dela iriam me agredir sem contar as indiretas e as ofensas e engolir coisas do tipo “ESSES BRANCOS NÃO PRESTAM”. Sofri racismo por ser branco, nunca fiquei de recentimento por isso e nem acho que alguem tem que ser lembrado por ser branco ou negro. E o mesmo que ficar revoltado porque nenhum brasileiro, gordo, magro, corintiano ou cigano foi indicado ao Oscar.
            Alias quantos excelentes atores brancos ficaram de fora tambem? Eles tambem podem ficar de mimimi tambem?

          • Catena Hernandez. Nada demodê.

            Sofreu racismo por ser branco? Ah coitado… Quer um abraço?

          • #MeuTriplexMinhaVida

            Acho que vou pedir cotas de brancos em universidade o que acha? Todo fracassado e vagabundo quer cota pra entrar em universidade publica usando descupa a cor da péle ou condição social, como fui discriminado pelos meus ex-cunhados vou reidivincar minha cota o que acha?

          • Catena Hernandez. Nada demodê.

            Muito vitimista… Era de se esperar vindo de alguém com esse tipo de pensamento…

          • Hater de Terceira Idade

            NOSSA VELHO. COMO VC AGUENTOU TANTO TEMPO A SER VITIMA DESSA FORMA? RACISMO É ALGO MUITO GRAVE. PQ NÃO CHAMOU A POLICIA? CARA, SE PRECISAR DE UM OMBRO BEM MUSCULOSO PARA DEITAR ESTOU AQUI…

      • gandralf

        Olhe o logo deste maluco.
        É troll. Não alimente.

        • Adriano Marques

          Obrigado!

        • #MeuTriplexMinhaVida

          Não sou troll. Se você se doeu pau no seu cu seu petista imundo

        • #MeuTriplexMinhaVida

          Olha a foto do seu perfil? Você e retardado mental com essa cara de bosta?

    • Caetano

      • #MeuTriplexMinhaVida

        Eu não sou burro não, apenas disse a verdade mas se você quer que um ator ganhe pela cor da péle e não pelo talento não reclame de preconceito

    • Juliane Ribeiro ✠ ‏

      “Quatro minutos e trinta e cinco segundos: é essa a duração do curto vídeo que reúne todos os vencedores negros da história do Oscar, com direito a cenas dos filmes que renderam suas indicações e trechos de seus discursos de agradecimento”.

      Desculpa amigo mas acho que você ainda não entendeu que isso não é uma questão do ano de 2016 é desde 1929.

      • #MeuTriplexMinhaVida

        Ja parou pra pensar que nos EUA negros não representam nem 20% da população americana? Então é proporcional. Latinos são bem mais numerosos nos EUA e latinos indicados e menos ainda e nem por isso ficam de mimimi

        • Catena Hernandez. Nada demodê.

          fala bosta não… shiiii… quietinho q é melhor…

          • #MeuTriplexMinhaVida

            Cara quem tem que ficar quetinho é você pra não tomar uma surra de argumentos. E Só merecer que ganha o Oscar, cota racial e a muleta dos incopetentes

          • Catena Hernandez. Nada demodê.

            Argumente alguma defesa sobre esse seu pensamento conservador coxinha… por favor… Derrame sua sabedoria nos comentários….

          • #MeuTriplexMinhaVida

            Sou conservador coxinha sim com muito orgulho mas acho que um ator deve ser indicado ao Oscar pelo talento e não pela cor da péle.

          • Catena Hernandez. Nada demodê.

            Caralho. Vc não disse q me daria uma surra de argumento. Foi só essa repetição falaciosa?

  • Catena Hernandez. Nada demodê.

    Enquanto isso temos algum chorume escorrendo nos comentários. Branco sofrendo racismo. Não teve negro com atuação brilhante esse ano… Ou tá a fim de causar ou não assistiu nada nos cinemas…

    Menas kirida. Bem menas…

    • #MeuTriplexMinhaVida

      Proximo ano não esqueçam de indicar alguem pela cor de péle e não pela atuação

      • Catena Hernandez. Nada demodê.

        É. Vc não assistiu nada….

        • #MeuTriplexMinhaVida

          Manda a Gloria Perez assistir

        • #MeuTriplexMinhaVida

          90% dos jogadores da NBA são negros. Sera que é preconceito contra jogadores brancos, latinos e asiaticos?

          • Catena Hernandez. Nada demodê.

            Mais uma falacia. Talvez vc já tenha lido ou visto algo com estudos dos atributos físicos dos negros. Esses estudos comprovam que eles são superiores fisicamente. Que sua musculatura favorece o desempenho esportivo. Que eles tem um detalhe em suas fibras musculares que ajuda em sua recuperação e explosão muscular. E não sei se percebeu, temos poucos, talvez nenhum, atleta negro se destacando em esportes aquáticos e isso se dá também por conta da genética, a textura da pele deles atrasa alguns segundos a sua velocidade na água. Aprenda a comparar alho com alho e bugalho com bugalho. Nunca compare áreas que não tem nada com a outra e ainda tentar usar como argumento.

  • Eric Cerqueira de Oliveira

    A resposta do oscar ao mimimi foi proporcional, colocaram o cara certo para falar as coisas certas, não é por que meia duzia de famosos levantaram essa bandeira que só gerou mais preconceito, que devemos achar que isso realmente é verdade.
    Só queria ser pontual em algo; ” “Creed: Nascido Para Lutar”, carregado pela força de Michael B. Jordan e a direção segura de Ryan Coogler, ambos negros, acabou recebendo somente uma indicação, para seu ator coadjuvante — branco”

    Depois dessa parte o resto do texto me parecia só uma opinião qualquer, pessoal, sem fundamento e influenciada.