Clicky

Pouco Pixel 37 – A hora e a vez do video game de bolso

Tamanho não é documento

7.mar.2016

Saímos de video games de salão, passamos para video games de mesa e chegamos a video games de bolso! Adriano Brandão e Danilo Silvestre destrincham o fenômeno dos jogos portáteis, do Tetris-de-rodoviária até o iPhone, e tentam entender: o destino manifesto dos games é realmente a jogatina individual? O que faz um bom handheld é tecnologia de ponta ou uma experiência única? Por que a Sony demorou tanto para entender esse mercado? Aquaplay é video game?

Download | iTunes | Feed

00:02:22 – A hora e a vez do video game de bolso
01:01:36 – Debate de bolso
01:22:45 – Cartinhas
01:36:15 – Extras do diretor

Os famosos links no post

Jogos mencionados: “Tetris” e “Pokémon“, principalmente, mas também “Super Mario Bros.“, “Streets of Rage 2” e “Final Fight
Você se lembra do Aquaplay? Ainda existe!
O design icônico do DS, na verdade, é uma reminiscência do antigo Game and Watch, do final dos anos 70
Joguinhos da Tiger, o pior uso de cristal líquido de todos os tempos. Não, pera… o Tetris-de-rodoviária é que é o pior uso de cristal líquido de todos os tempos!
Hillary Clinton, à época primeira dama dos Estados Unidos, jogando Game Boy
Que tal lamber o seu PSP?
Muito legal o 3DS com cara de Super Famicom, recém-lançado pela Nintendo
O eterno sidetalking. Obrigado, Nokia!
A cartinha, manuscrita (!), do Miguel Nakajima

O som do episódio

“Temos que pegar!”

Mande cartinhas!

Aqui nos comentários, no nosso Twitter, no nosso Facebook ou por e-mail, direto no nosso site. Valeu!

Comente