Clicky

Pouco Pixel 74 – Meu nome não é Zelda!

Hey, listen!

14.fev.2017

É Link, ô caceta! Adriano Brandão e Danilo Silvestre finalmente conversam sobre uma das maiores e mais influentes franquias de video game de todos os tempos: “The Legend of Zelda”. Como o game de 1986 pôde criar, do zero, um novo gênero e manter, com relativamente poucos recursos, os jogadores na ponta do sofá até hoje? O que importa em “Zelda”, a sensação de se explorar um mundo hostil ou o storytelling épico? Todos os jogos da série são iguais?

Download | iTunes | AndroidFeed

00:04:46 – Meu nome não é Zelda!
00:56:01 – High five
01:19:24 – Debate de bolso
01:44:56 – Cartinhas

Seja um mecenas esclarecido!

Contribua com o Pouco Pixel e faça parte de um grupo privilegiado que não somente participa do nosso grupo secreto no Facebook como também assiste às gravações do podcast ao vivo e na íntegra, interagindo com os apresentadores! Tudo isso por somente 10 reais por mês – mais barato que um suco no shopping. Por mês.

Os famosos links no post

ilustre precursor de “Zelda”: “Adventure“, do Atari
Os nada ilustres herdeiros de “Zelda”: “The Stone of Wisdom” e “Rambo“, do MSX
Como pôde a Nintendo aprovar os “Zelda” do Philips CD-i?
As grotescas cenas iniciais de “Double Dragon” e “Double Dragon II
Você sabe o que é “Rosebud“?
Quem teve a ideia do Mecha Hitler?
A cena inicial de “Shenmue” e seu vilão, Lan Di
Eis Iaco

Groselhas

> Não é Willy que soca Marion, a namorada dos irmãos Lee em “Double Dragon”! Ele está presente na cena e presumivelmente a ordena; mas quem executa é um capanga qualquer
> O nome de “Double Dragon II” é simplesmente “The Revenge” e não “Willy’s Revenge”. É uma vingança dupla: Willy pela derrota no primeiro jogo, e os irmãos Lee pelo assassinato da namorada

O som do episódio

A trilha clássica de Koji Kondo para “A Link to the Past”, do Super Nintendo!

Mande cartinhas!

Aqui nos comentários, no nosso Twitter, no nosso Facebook ou por e-mail, direto no nosso site. Valeu!

Comente