Clicky

Facebook também quer ser sua TV: vai lançar séries originais e transmitir esportes ao vivo

Facebook também quer ser sua TV: vai lançar séries originais e transmitir esportes ao vivo

Com novo aplicativo, Watch, empresa vai concorrer com Netflix, Google, Amazon e Disney

por Carlos Merigo

Não contente em dominar diversos aspectos da mídia, o Facebook agora quer colocar o pé em outro terreno já habitado por gigantes como Netflix, Amazon, Google, Apple e logo logo a Disney.

Facebook Watch quer ser a sua nova plataforma de streaming de vídeo, oferecendo conteúdo original criado por parceiros selecionados pela empresa. É claro que Mark Zuckerberg vem há tempos destacando vídeos em sua rede social, criando uma aba dedicada no Facebook para o formato. Porém, as pretensões agora são bem maiores do que exibir pequenos filmes curiosos e virais na sua timeline.

Com o Watch – que além da aba na rede social vai contar com aplicativo dedicado para iOS, Android, desktop e Smart TVs – o Facebook quer ser também a sua televisão, abrindo espaço as portas um mercado de mídia avaliado em 70 bilhões de dólares só nos EUA.

Algumas séries já reveladas incluem vídeos diários, talk show e um programa de culinária em parceria com Tastemade. O Facebook também fechou acordo com a Major League Baseball americana para transmitir um jogo ao vivo por semana dentro da plataforma.

Facebook pagou adiantado aos publishers: 5 mil a 35 mil dólares por episódio

compartilhe

Assim como já faz o YouTube, por exemplo, o Watch vai oferecer abas personalizadas de acordo com o seu gosto, além de seções como “Mais Comentados” ou “Com o que as pessoas estão rindo”, que inclui programas mais marcados com a reação de Haha no Facebook.

Para esses primeiros programas, foi reportado pela Reuters que o Facebook pagou adiantado para os seus parceiros. Valores que giram entre 5 mil a 35 mil dólares por episódio, dependendo da duração do programa. A intenção é que, no futuro, os criadores só sejam pagos posteriormente, levando 45% da receita de um vídeo.

O Watch será liberado aos poucos para usuários nos Estados Unidos, e deve ser expandido para o resto do mundo em breve. O mesmo vale para a criação de conteúdo para a plataforma. Começa com produções selecionadas, depois abre para novos produtores.

Compartilhe: