Clicky

Netflix luta para manter os filmes da Marvel Studios e Lucasfilm em seu catálogo

Netflix luta para manter os filmes da Marvel Studios e Lucasfilm em seu catálogo

Conversas iniciaram após Disney anunciar sua própria plataforma de streaming no começo da semana

por Pedro Strazza

Na última terça, a Disney anunciou que estaria encerrando o seu contrato de exclusividade na distribuição com a Netflix no próximo ano para lançar em 2019 suas próprias plataformas de streaming. A ação do estúdio envolveria acima de tudo uma retirada de produtos do serviço: com a exceção dos produtos desenvolvidos em parceria (como as séries da Marvel Studios), a princípio todos os filmes e seriados da empresa sairiam do catálogo até o fim de 2018. Mas a Netflix pelo visto vai lutar para que isso não aconteça.

De acordo com a Reuters, a gigante do streaming e seu chefe de conteúdo Ted Sarandos estariam em “negociações ativas” com o estúdio de Mickey Mouse para manter os conteúdos da Marvel Studios e de “Star Wars” em suas fileiras depois de 2019, a data limite para que todos as produções da Disney e da Pixar saiam de seu catálogo. A princípio, pelo acordo a Netflix teria direito de exibir os próximos dois capítulos da saga criada por George Lucas – “Os Últimos Jedi” e o filme solo de Han Solo, que serão lançados respectivamente em dezembro de 2017 e maio de 2018 – mas não às outras produções futuras da Lucasfilm, que inclui até o momento o nono episódio, a ser dirigido por Colin Trevorrow, e dois filmes ainda não anunciados.

Esse futuro pelo visto é bastante incerto. Em entrevistas, Sarandos afirmou que o que a Netflix busca nessas negociações é que a plataforma seja “complementar” ao esquema de distribuição do estúdio, numa metodologia similar à feita com a Illumination Entertainment (empresa responsável por “Meu Malvado Favorito”) e a Dreamworks Animation. O CEO da Disney Bob Iger, porém, disse a analistas que a empresa ainda não decidiu como será feito esse esquema com os filmes da Marvel Studios e da Lucasfilm.

O acordo valeria por enquanto só para o território estadunidense.

Compartilhe: