Clicky

Facebook está usando imagens do Instagram para treinar inteligência artificial
TIME.com stock photos

Facebook está usando imagens do Instagram para treinar inteligência artificial

Projeto estaria sendo desenvolvido para ajudar rede social na moderação de comentários e postagens feitas por usuários na plataforma

por Pedro Strazza

Durante a sua conferência anual de desenvolvedores (a F8), o Facebook anunciou hoje que está usando as bilhões de imagens disponíveis publicamente por seus usuários no Instagram para treinar as habilidades de reconhecimento de um software de inteligência artificial. A estratégia, de acordo com a plataforma, estaria acelerando o desenvolvimento dos algoritmos do programa, criando uma IA cujo sistema seria um dos melhores do mercado hoje.

De acordo com a reportagem o The Verge no evento, o projeto parte do princípio de usar imagens categorizadas com hashtags para organizar o material a ser lido e assimilado pelo software. “Nós dependemos quase que completamente em dados de curadoria manual e humana.” afirmou Mike Schroepfer, chefe de tecnologia do Facebook, no evento; “Se uma pessoa não gastou tempo categorizando algo específico de sua imagem, até mesmo o sistema visual do computador mais avançado não será capaz de identificá-lo” disse, declarando logo em seguida que a sua equipe à partir disso foi capaz de obter resultados que são “de 1 a 2% melhores que qualquer outro serviço na ImageNet”.

Na conferência, foi divulgado que estes sistemas a princípio estejam sendo desenvolvidos pela plataforma para ajudar na administração das postagens publicadas na rede social, um esforço de automatização parcial do processo que auxiliaria os mais de 20.000 humanos contratados pelo Facebook para moderar estes posts. “Até recentemente nós dependíamos quase sempre em relatórios de reação. Nós tínhamos que esperar que algo ruim acontecesse e fosse avistado por alguém para que pudéssemos fazer algo sobre.” disse Schroepfer no evento.

Esta automatização é parcial muito por conta dos recentes escândalos nos quais a empresa se viu envolvida, especialmente as interferências nas eleições americanas pela Rússia e, claro, o Cambridge Analytica. O desafio principal, porém, é de solucionar a questão da moderação sem eliminar a liberdade de expressão do usuário, impedindo que pessoas ajam de má fé dentro da plataforma – seja postando pornografia, propaganda terrorista, violência ou o mero spam – sem afetar a maioria que utiliza a rede no dia a dia. Tanto que Schroepfer confirma que “é por isto que nós estamos tão focados na pesquisa com IA. Nós precisamos de novas descobertas, e isto requer novas tecnologias que resolvam os problemas que todo mundo quer resolver”.

Compartilhe: