Pouco Pixel 147 – Losers

A história contada pelos derrotados

por Pouco Pixel

Só há vencedores se existirem perdedores. Adriano Brandão e Danilo Silvestre recontam a história dos video games do ponto de vista dos consoles derrotados nas batalhas pelo mercado. Alguns deles são até hoje queridos, como o Master System, outros foram quase totalmente esquecidos, como o Intellivision e o CD-i. Qual a importância desses video games para a evolução da mídia? Que fatores os levaram à bancarrota? Por que o mercado de jogos eletrônicos tende naturalmente à concentração?

Download | iTunes | Android | Feed | Spotify

00:06:58 – Tema
01:04:42 – Bota Ficha

Seja um mecenas esclarecido!

Contribua com o Pouco Pixel e faça parte de um grupo privilegiado que não somente participa do nosso grupo secreto no Facebook, com muita interação e papos aleatórios exclusivos, como também recebe antecipadamente os episódios do podcast! Tudo isso por somente 10 reais por mês – mais barato que suco de shopping.

Vídeos do Pouco Pixel!

Estamos no YouTube! Todas as quintas-feiras tem vídeo inédito em que jogamos e comentamos algum game velho. E de vez em quando soltamos vídeos extras sobre temas relacionados a retrogamingVem ver a gente jogar! (Só não se esqueça de assinar o canal, clicar no sininho, dar joinha, aquela coisarada toda.)

Os famosos links no post

  • Siga a gente no Fanclic e receba notificações com todas as novidades do Pouco Pixel!
  • Camisetas, canecas e até almofadas do Pouco Pixel você compra na Galeria Pix
  • Vídeos mencionados: jogamos títulos de Atari pensados para fitas cassetes e deixamos branquinho um Dreamcast velho e amarelado
  • Losers” é uma série de documentários da Netflix sobre esportistas que fracassaram ou sofreram uma grande derrota
  • Ruas temáticas do comércio paulistano: sim, São Paulo tem uma rua para perfumistas, outra para cozinheiros e outra para pescadores
  • A distribuição Android-iPhone no mundo é 75%-25%; no Brasil, é 85%-15%; nos EUA, é 45%-55%
  • Didi na Mina Encantada” é a versão brasileira de “Pick Axe Pete!“. Os jogos são idênticos; só as capas mudam
  • Um telefone PBAX de multinacional? Não, é o controle do Intellivision mesmo
  • O Atari 5200 tinha um imenso compartimento para seus desajeitados controles
  • Nintendinho vendeu 61 milhões de unidades, não 91 (obrigado pelo toque, Adriano Santa Fé!)
  • Apple ][, Commodore 64, Atari 2600, Nintendinho e Atari 7800 todos usaram CPUs da família 6502, da MOS
  • Estúdios paralelos eram prática comum no mercado de video games nos anos 90. Os dois exemplos mais famosos: a Acclaim publicava jogos de Mega Drive sob os nomes Flying Edge e Arena; e a Konami ampliava seu limite de jogos anuais de Nintendinho usando nomes como Ultra e Palcom
  • Os cartuchos de Neo Geo eram duplos
  • Return of the Obra Dinn“, jogo de 2018 de Lucas Pope, usa gráficos monocromáticos, sem nenhum gradiente, apenas com pontilhados para representar sombras e outros detalhes. O jogador pode alterar as cores básicas, em esquemas que simulam computadores antigos, mas os gráficos seguem 1-bit
  • O conturbado desenvolvimento de “Fez” foi tornado famoso pelo documentário “Indie Game: The Movie
  • Já existiam engines de criação de jogos desde o início dos 90 (“Doom“) e até antes, se pensarmos em gêneros específicos como RPG ou adventures. A Gold Box da SSI, a SCUMM da LucasArts e a AGI da Sierra são exemplos tão antigos quanto famosos (obrigado, Tiago Rezende, pela dica!)

Nosso som

As vinhetas do Pouco Pixel foram compostas pelo Rodrigo Faleiros, da Wagging Tail. Conheça o trabalho dele! Já a trilha sonora de fundo é do Visager.

Compartilhe:
  • tags: