Cannes Lions 2019: cada vez mais, um evento sobre o negócio da criatividade

Festival começa nesta segunda, 17 de junho, tentando demonstrar a evolução da indústria

por Juliana Vilhena Nascimento

CANNES, FRANÇA – Hoje começo o meu caminho rumo a Cannes pra participar, mais uma vez, do Cannes Lions. Conhecido por ser uma celebração à criatividade, o festival, que já tem mais de 65 anos de idade, vem passando por uma transformação importante nos últimos 10 anos – e, mais do que isso, ele vem transformando Cannes num lugar de discussão e realização do negócio da criatividade.

Me explico: a sede do Festival ainda é o Palais dês Festivals, ali na pontinha da Croisette. Mas ele tomou a cidade de tal maneira que muitos dos participantes vão passar mais tempo fora do Palais do que dentro dele.

Não estou falando sobre a fama festeira que esta junção de pessoas adquiriu ao longo dos anos – mas sim da invasão da cidade pelos patrocinadores, veículos, plataformas, agências, consultorias, e outros animais com DNA criativo. Até as ilhas próximas já foram tomadas pelos power lunches e reuniões entre os executivos que lá estarão – e por isso, não é surpresa ver que a presença no Palais tem diminuído – tanto em inscrições pra prêmios (neste ano, cerca de 30 mil) quanto em compra de passes pro evento (que, neste ano, criou uma alternativa pra você ir a Cannes depois de voltar de Cannes: o Digital Pass, que dá acesso por duas semanas aos conteúdos do evento).

Ilustração de Hyesu Lee, para AdAge

Quer ver do que estou falando? Abra este mapa, publicado pelo Ad Age, dê zoom na praia da Croisette e conte quantos nomes de empresas a habitam. Eu contei 17. Podem imaginar quantos eventos paralelos ao festival acontecem neles? Cada cabaninha desta tem uma grade de palestras, uma agenda de reuniões, pelo menos cinco happy hours para estimular negócios programados.

Agora, voltemos ao line-up do evento. Olhando a lista de palestras que valem a pena ver, não me surpreende o fato de que agora, além de comunicação e craft, o festival fala de assuntos como Impacto Social da Indústria, Diversidade, e Negócios. Aliás, David Droga, um dos ícones da nossa indústria, vai falar sobre a “Evolução da Criatividade” – o que parece passar pela discussão de um novo modelo de negócio e agência, de acordo com a descrição da sessão.

É impossível não ver que o festival vem evoluindo junto com a nossa indústria – e é reconfortante perceber que de uma forma diferente ele continua a ser um lugar onde podemos discutir seu presente e futuro. E aqui pelo B9, diretamente do Palais e dos arredores, você pode acompanhar a discussão acontecendo também. Vamos nessa? 

Compartilhe: