Assim como a Disney, Apple também planeja lançar Apple TV+ em novembro

Companhia também deve vender o serviço na altura dos 10 dólares por mês e considera diferentes estratégias de lançamento para cada série original

por Pedro Strazza

A briga entre os novos serviços de streaming pelo visto deve começar com tudo em novembro. De acordo com a Bloomberg, além da Disney com o Disney Plus a Apple também planeja colocar na rua o seu Apple TV+ até o fim do penúltimo mês de 2019, em busca não apenas de competir de frente com a companhia de Mickey Mouse mas também de atingir o valor de 50 bilhões de dólares em vendas até meados de 2020.

Embora a guerra imediata seja com a Disney, a estratégia da Apple para se consolidar no cada vez mais disputado mercado de streaming é bastante diferente da criada por Alan Horn com o Plus. Além de ser lançado em mais de 150 países em novembro, o Apple TV+ será um pouquinho mais caro que a colega de lançamento, custando nos EUA os mesmos 9,99 dólares ao mês que a companhia estabeleceu para a Apple Music e a Apple News+ – o que ainda é em conta, se considerar que por lá a Netflix tem um plano médio de 12 dólares.

A estratégia de lançamento dos seriados originais da Apple também será diferente da concorrência, adequando-se às características próprias de cada produção. Segundo a Bloomberg, a empresa estaria considerando para alguns seriados a possibilidade de lançar 3 episódios de início para depois liberar novos capítulos semanalmente, como na televisão.

Das séries anunciadas pela Apple, as que devem estar disponibilizadas no lançamento do Apple TV+ são “Amazing Stories”, comandada por Steven Spielberg; “The Morning Show”, liderado por Jennifer Aniston, Reese Witherspoon e Steve Carell e que aparentemente já teve a segunda temporada autorizada pela companhia; “See”, a milionária produção estrelada por Jason Momoa; “Truth Be Told”, com Octavia Spencer no papel principal; e a série documental sobre casas extravagantes “Home”.

Ainda de acordo com o Financial Times, o investimento atual da Apple com produções originais neste primeiro ano de vida da plataforma teria aumentado substancialmente desde o um bilhão de dólares inicial, estando atualmente acima da marca dos seis bilhões de dólares de acordo com fontes do jornal. Só para ter uma ideia do grau de aposta da companhia com conteúdo, a Netflix este ano já declarou ter gastado 15 bilhões de dólares em séries e filmes originais para sua plataforma.

Compartilhe: