Indonésia vai construir nova capital porque a atual está afundando no mar

Mudança deve levar 10 anos e se deve ao rápido superpovoamento e desenvolvimento da região de Jacarta, a capital do momento

por Matheus Fiore

Uma área florestal localizada no leste de Bornéu se tornará a nova capital da Indonésia. A atual, Jacarta, será abandonada em breve, e o motivo é um tanto quanto inusitado: a cidade está afundando no mar.

O problema não é de hoje mas se agravou nos últimos anos, conforme Jacarta se tornou um importante pólo econômico e expandiu significativamente os avanços de construções na região.

A decisão foi anunciada pelo próprio presidente da Indonesia, Joko Widodo. “Como uma grande nação que já é independente há 74 anos, a Indonésia nunca escolheu sua própria capital”, afirmou o presidente em um discurso transmitido na televisão; “O fardo que Jacarta carrega nesse momento é muito grande, pois a cidade é o centro do governo, bem como o principal polo de negócios, finanças, comércio e serviços”.

De acordo com a CNN Indonesia, o projeto de mudança da capital custará 486 trilhões de rúpias (algo em torno de 150 bilhões de reais) e sua operação deve acontecer em um período de dez anos. Jacarta hoje abriga 10 milhões de moradores com uma estimativa de 30 milhões de pessoas em toda a região metropolitana, o que faz do lugar um dos pólos urbanos mais superpovoados do mundo.

A situação na Indonésia reascende a importante discussão sobre desenvolvimento sustentável em grandes metrópoles do mundo. Jacarta, vale lembrar, não é a única com problemas devido ao desenvolvimento e crescimento populacional focado em um só lugar: grandes centros como Houston (Texas), Nova Orleans (Louisiana) e Washington passam pelo mesmo problema nos Estados Unidos, além de Pequim (China) e Lagos (Nigéria).

Outra questão importante trazida pela situação é o impacto ambiental de ter uma cidade tomada pelo oceano. Ainda não há, porém, pesquisas que apontem como o contato de tantos produtos, compostos e materiais diferentes pode danificar a vida marinha na região.

Compartilhe: