Prestes a perder “Friends”, Netflix adquire direitos globais de exibição de “Seinfeld”

CulturaNegóciosSocial Media

Prestes a perder “Friends”, Netflix adquire direitos globais de exibição de “Seinfeld”

Embora detalhes do acordo não tenham sido divulgados, fontes apontam que streaming teria pago até 500 milhões de dólares para ser a única detentora da série entre 2021 e 2026

por Pedro Strazza

A Netflix nos últimos tempos tomou uma sequência de golpes difíceis, desde os resultados decepcionantes do último trimestre fiscal até os impactos cada vez maiores das futuras concorrentes Apple TV+ e Disney+. O trauma, porém, foi mesmo a perda dos direitos de transmissão de “Friends” e – no caso dos Estados Unidos – “The Office”, sitcoms de imensa popularidade na plataforma que ganharão casa nova a partir do ano que vem com a chegada do HBO Max e o que quer que seja o streaming da Comcast.

Mas o contra-ataque da companhia de Reed Hastings enfim veio, na forma de uma terceira série de comédia de imensa popularidade: nas redes sociais, o serviço de streaming confirmou que a partir de 2021 o seriado “Seinfeld” estará disponível com exclusividade em sua plataforma, uma medida que inclui todos os 180 episódios da produção escrita por Jerry Seinfeld e Larry David.

A chegada de “Seinfeld” ao catálogo só acontecerá no começo de 2021 porque a data marca o fim do contrato firmado entre a Sony Pictures Television – dona dos direitos da produção – com a Hulu da Disney para transmissão da série nos EUA. Embora detalhes do negócio não tenham sido divulgados ao público, rumores de múltiplas fontes dos veículos estadunidenses apontam que o acordo entre Sony e Netflix tenham sido na mesma escala da WarnerMedia para garantir que os direitos de “Friends” no streaming voltassem à sua mão – ou seja, algo na altura dos 425 milhões de dólares. O negócio vale por cinco anos, a princípio se encerrando no fim de 2026.

O acordo também acaba de vez com uma das grandes incógnitas da guerra do streaming, conforme “Seinfeld” enfim parece ter encontrado uma “casa exclusiva” para ser exibida ao redor do mundo. Como “The Office” e “Friends”, que ano após anos se revelaram os conteúdos mais assistidos da Netflix, a sitcom ainda é bastante cultuada pelo público e por isso mantém um alto valor de replay no streaming. É o que justifica os rumores de que a Netflix teria batido de frente com a HBO Max e a Comcast por esses direitos nos últimos meses, além do fato da Hulu ter pago 160 milhões à Sony Television em 2015 pelo direito de transmitir a série em sua plataforma.

De acordo com o Los Angeles Times, além da Sony quem deve receber uma bolada no acordo é a própria WarnerMedia (que continua dona da série apesar de não ter voz sobre a decisão de onde ela é exibida), a CBS e os criadores Jerry Seinfeld e Larry David – tudo porque a dona original dos direitos, o estúdio Castle Rock, fechou as portas em 2002. Por representar um acordo global de exclusividade, o fechamento do acordo obviamente implica que aqui no Brasil a série deve deixar o catálogo do Amazon Prime Video até o fim de 2020.

Agora resta saber apenas para onde vão “The Big Bang Theory” e “Two and Half Men”, as sitcoms de imenso sucesso recente que ainda estão para fechar acordo no mercado – e que a WarnerMedia já negocia para obter na faixa do 1,5 bilhão de dólares.