snapchat-carl-court-getty-images-e1529072536899

CEO do Snapchat garante: ao contrário do Facebook, plataforma verifica cada um dos anúncios políticos que veicula

Não que isso signifique muita coisa, porém...

por Pedro Strazza

Enquanto o Facebook dissemina o caos no noticiário ao afirmar de novo e de novo que não vai moderar publicações e anúncios políticos em sua plataforma, outras redes sociais aproveitam o momento de fragilidade da rival maior para lembrar que suas políticas são mais saudáveis em relação ao conteúdo que é aprovado, sendo publicitário ou não.

O participante da vez é o Snapchat. Em entrevista ao CNBC, o CEO da Snap Inc. Evan Spiegel declarou que sua rede social mantém o compromisso de avaliar toda e qualquer publicidade a ser transmitida no aplicativo, incluindo as de natureza política. “Eu penso que o que nós tentamos fazer é criar um lugar para anúncios políticos em nossa plataforma, especialmente porque nós alcançamos tantos jovens e votantes de primeira viagem que nós queremos que eles engajem com o debate político, mas também não vamos permitir que coisas como desinformação apareçam em nossa publicidade.” afirmou o executivo na ocasião.

O comentário de Spiegel acontece algumas semanas depois do Twitter e do TikTok anunciarem que não vão mais permitir campanhas políticas na parte publicitária de suas redes, que na época reagiram à notícia do Facebook declarar que não iria deletar postagens de políticos mesmo quando estes fossem preconceituosos ou espalhassem discursos de ódio. Enquanto o app da ByteDance fez este movimento para manter o “ambiente positivo e refrescante” da plataforma, o CEO do Twitter Jack Dorsey chegou a justificar a decisão na época afirmando que “o alcance da mensagem política deve ser conquistado, não comprado”.

No caso específico do Snapchat, ajuda também que a companhia hoje mantenha um negócio bem menos expressivo na publicidade política dentro de sua rede social comparado, por exemplo, ao próprio Facebook. Para ficar nos números, enquanto redes como o Twitter geraram uma receita de 3 milhões de dólares nas eleições estadunidenses de 2018, no mesmo período o Snapchat recebeu apenas 200 mil dólares em anúncios políticos.

Compartilhe: