Burger King pede que pessoas não bebam desinfetante, depois de fala absurda de Donald Trump

Burger King pede que pessoas não bebam desinfetante, depois de fala absurda de Donald Trump

Empresas de produtos de limpeza também se manifestaram

por Soraia Alves

Contrariando qualquer noção de bom senso, na última quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse em sua coletiva diária à imprensa que os cientistas deveriam estudar a possibilidade de injetar desinfetante nas pessoas infectadas com o novo coronavírus para curá-las da doença.

Dada a repercussão da fala e as fake news que já estavam rodando sobre o assunto, o Burger King foi uma das empresas a se manifestar pedindo diretamente aos seus clientes que não bebam desinfetantes.

A rede de fast food tweetou nesta sexta-feira: “Não sei por que precisamos ser quem diz isso, mas não beba desinfetantes”.

Diversas empresas de produtos de limpeza também se manifestaram: “Devemos deixar claro que, sob nenhuma circunstância, nossos produtos desinfetantes devem ser administrados ao corpo humano (por injeção, ingestão ou qualquer outra via)”, afirmou em comunicado a empresa Reckitt Benckiser, que fabrica produtos da Dettol, Lysol e Harpic.

É consenso entre os profissionais da saúde que qualquer tipo de desinfetante não deve ser usado ​​como tratamento para o coronavírus: “Alvejantes com cloro e outros desinfetantes nunca devem ser ingeridos ou injetados no organismo para tratar infecções como a Covid-19”, diz o comunicado divulgado pelo Conselho Americano de Química. “Essa prática pode ser letal ou causar sérios danos corporais”, explica.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link