Por “Dieselgate”, Volkswagen pagou US$ 9,5 bilhões a motoristas dos EUA

Montadora admitiu que utilizava um software projetado para disfarçar os poluentes dos carros durante testes de emissões da Agência de Proteção Ambiental

por Soraia Alves

Em 2015, a Volkswagen precisou fazer um recall de cerca de 500 mil de seus carros a diesel, devido às denúncias de falsificação de resultados nas emissões de poluentes. A montadora admitiu que utilizava um software projetado para disfarçar os poluentes dos carros durante os testes de emissões da Agência de Proteção Ambiental. O programa foi utilizado em 11 milhões de carros em todo o mundo, e o escândalo ficou conhecido como “Dieselgate”.

Agora, para encerrar o caso, a Federal Trade Commission (FTC) dos Estados Unidos publicou um relatório final que indica o quanto o Grupo Volkswagen, que inclui Audi e Porsche, pagou aos compradores de carros que foram enganados no país: US$ 9,5 bilhões.

Um ano depois das investigações, um esquema de recall foi estabelecido e deu aos motoristas duas opções: devolver o veículo e receber alguma compensação financeira, ou modificá-lo para cumprir os regulamentos de emissões. Sem surpresa, 86% dos motoristas optaram pela restituição em dinheiro.

Além dos bilhões, o “Dieselgate” teve como resultado, a renúncia do CEO do Grupo Volkswagen, Martin Winterkorn, além da suspensão de muitos funcionários da empresa. O escândalo também incentivou os legisladores a investigarem outras montadoras, e algumas foram vistas aplicando o mesmo truque.

Compartilhe: