Cyberpunk-2077-111

“Cyberpunk 2077” é adiado para 10 de dezembro e estúdio promete ser o último atraso

CD Projekt Red terá mais 21 dias para finalizar o jogo sem problemas nos consoles da nova geração

por Matheus Fiore

O novo game da CD Projekt Red, “Cyberpunk 2077”, é um dos mais aguardados da última década. Anunciado originalmente em 2013, o RPG, porém, passou por uma série de adiamentos, o que fez com que seu lançamento criasse ainda mais expectativa. Recentemente, o estúdio responsável pelo jogo chegou a prometer que não haveria mais adiamentos. Agora, o jogo foi, mais uma vez, adiado.

Com lançamento previsto para o começo de novembro, “Cyberpunk 2077” agora só estará disponível no dia 10 de dezembro. Segundo a CD Projekt Red, o adiamento se dá pelas dificuldades logísticas e tecnológicas para garantir que o jogo esteja pronto para todas as plataformas nas quais estará disponível.

Vale lembrar que o jogo seria lançado em cima da chegada da nova geração de consoles, com PlayStation 5 e Xbox Series S e X prestes a chegarem às lojas. Com isso, a empresa acredita que ter mais tempo para testar o jogo nessas plataformas garantirá um lançamento menos problemático, mesmo que decepcionando a comunidade gamer por estender a espera.

“Nós sentimos que temos um jogo incrível em nossas mãos e estamos dispostos a tomar qualquer decisão, mesmo a mais difícil de todas, se no fim das contas isso levar a entregar para vocês um jogo pelo qual vocês possam se apaixonar”, afirma a declaração do estúdio.

Apesar de boa parte da comunidade ter lamentado o adiamento nas redes sociais, é ponto pacífico que, para todos, um adiamento é melhor do que um lançamento despreparado. Além da nova geração, tanto PlayStation 4 e Xbox One quanto Stadia e PC receberão o jogo. Para os desenvolvedores, os 21 dias adicionais farão enorme diferença para finalizar a obra.

Mesmo assim, o adiamento levanta outra discussão importante: o crunch na indústria dos games. O termo usado para descrever quando desenvolvedores são forçados a trabalhar por mais tempo e sem bonificação, podendo chegar a 100 horas semanais de trabalho.

A empresa promete, porém, que todos os desenvolvedores serão devidamente recompensados por suas horas extra. “Esta é uma das decisões mais difíceis que tive que fazer, mas todos são bem compensados por cada hora extra que trabalharem. E, como nos últimos anos, 10% dos lucros anuais que nossa companhia gerar em 2020 serão divididos diretamente entre a equipe”, afirmou Adam Badowski.

Compartilhe: