1602890920_3748052-ekekwpkuyaeqoyr

Nintendo bane propaganda política de “Animal Crossing”

Só quem tiver uma autorização escrita da companhia vai poder promover anúncios e ações envolvendo política no jogo

por Pedro Strazza

A Nintendo nesta quinta (19) anunciou um novo conjunto de regras para como empresas e organizações devem se portar no ecossistema de “Animal Crossing: New Horizons”, jogo do Nintendo Switch que se tornou uma das grandes febres da pandemia ao redor do globo. A meta é simples – controlar minimamente a verdadeira onda de ações publicitárias que rolaram na plataforma nos últimos meses – mas inclui um tópico para lá de peculiar: o banimento de conteúdo político do jogo quando vindo destas companhias.

A informação vem em forma de observação para quando empresas resolverem adentrar o ecossistema de “Animal Crossing”, uma ação que de acordo com a Nintendo pode ser feita desde que para providenciar um design próprio da marca, convidar jogadores para visitar sua ilha oficial ou realizar registros para uso nas redes sociais. Ao realizar qualquer uma destas atividades, a companhia pede escancaradamente que as marcas envolvidas “se contenham no ato de trazer política para dentro do jogo” – uma fala que aparece no mesmo ponto sobre conteúdos vulgares, discriminatórios e ofensivos, vale acrescentar.

A afirmação é interessante especialmente porque o novo “Animal Crossing” de fato se tornou parte de uma campanha política recente, quando o time do então presidenciável estadunidense Joe Biden lançou no jogo uma ilha temática especial do candidato e sua vice, Kamala Harris. A partir de agora, segundo o estúdio, esse tipo de ação só poderá ser realizado com uma permissão escrita e especial da Nintendo.

Como todos os outros itens das diretrizes – que no mais são bastante tradicionais – a companhia declara que se perceber alguma marca conduzindo atividades de maneira irregular ou “nutrindo má influência na comunidade” irá tomar as devidas ações para interromper a conta, incluindo aí o banimento total.

O posicionamento da Nintendo é duro, mas faz sentido por se tratar de uma empresa que sempre prezou pelo conteúdo familiar. Além disso, a atitude acompanha uma onda recente do mundo político para usar os jogos como plataforma de discussão e divulgação de ideias – uma estratégia que recentemente deu muito certo para a congressista norte-americana Alexandria Ocasio-Cortez e o atual candidato à prefeitura de São Paulo Guilherme Boulos no “Among Us”.

Compartilhe: