[B9]_Ripio_Banner_[2]

★ Cripto Arte: como os NFTs promovem a revolução digital no mundo das artes

O que são, como funcionam e de que forma os tokens não fungíveis estão mudando a maneira como se consome arte no mundo de hoje

Em parceria com

Se você está nas redes sociais, provavelmente ouviu falar das NFTs em pelo menos duas ocasiões nas últimas semanas. O assunto bombou e não à toa: o Kings of Leon lançou uma versão especial de seu novo álbum com os tokens, a Pringles “criou” uma edição virtual de suas batatas e claro, as obras digitais que vem rendendo pagamentos consideráveis a artistas conceituados como Beeple.

São exatamente as somas envolvidas na comercialização que chamam tanto a atenção e despertam curiosidade em torno dos NFTs. O noticiário cansou de reportar os valores exorbitantes obtido com os tokens, desde o meme do Nyan Cat que foi comprado por R$ 3,1 milhões ao primeiro tweet da história do Twitter, vendido pelo CEO Jack Dorsey por inacreditáveis R$ 16 milhões. Os números são altos, e para quem olha de fora o cenário pode parecer mesmo um imenso planeta alienígena a princípio.

Mas afinal, o que são NFTs?

NFT no caso é uma sigla para token não fungível, o que em outras palavras significa que ele é um lastro único e não divisível. Uma comparação fácil são os carros: quando você compra um veículo, ele pertence a você e a mais ninguém, mesmo que existam várias unidades no mundo que sejam idênticos.

Nesse exemplo, o NFT não é o carro, mas o chassi que o torna individual perante outros idênticos a ele. É ele que garante especificidade ao que quer que ele esteja ligado, uma conotação que naturalmente agrega valor a tal – e quanto mais valioso for o item identificado, maior fica o preço envolvido. O token existe como um certificado de legitimidade: podem existir inúmeras cópias virtuais daquele arquivo ou peça, mas a identificada existe como “original”.

Para o mundo da arte, este aparato é uma verdadeira revolução ao modo de produção, pois enfim cria os meios para tornar uma criação única num mundo de réplicas. Com as NFTs e seu modelo de autenticação via blockchain, músicos, artistas e até criadores de memes podem identificar uma peça como a “obra original” sem perder o potencial viral da internet, vendendo-a por preços altos enquanto esta continua a existir nas redes sociais em forma de “cópias” – o melhor dos dois mundos, portanto.

A partir daí as aplicações são diversas. Para a arte, a tecnologia se converte num modelo de negócios, repetindo o esquema de uma casa de leilões no mundo virtual com toda a escala que este o permite. Para o blockchain, elas reforçam as possibilidades de uma economia descentralizada; e para os artistas, é uma forma de reforçar autoria sobre suas peças e aumentar o potencial de compra e venda destas, tornando-as em verdadeiros ativos digitais.

Saiba mais sobre NFTs e suas aplicações no Launchpad da Ripio!

Compartilhe:
icone de linkCopiar link