appleprivacidade
Imagem: Reprodução/Apple

Siri offline, iCloud+ e mais: Apple aumenta privacidade de seus produtos

Empresa torna padrão o processamento local da Siri e atualiza o iCloud, o Safari e o e-mail para que mantenham com maior segurança os dados do usuário

por Pedro Strazza

Além de todos os recursos práticos apresentados na Conferência Mundial de Desenvolvedores deste ano, a Apple também aproveitou o lançamento do iOS 15 nesta segunda (7) para reforçar o comprometimento com a privacidade de seus clientes em sua linha de produtos e serviços. Isso inclui novas habilidades para a Siri, o iCloud, o Safari e o e-mail que impedem o acesso de terceiros aos dados dos usuários da companhia.

No caso da assistente virtual, a grande novidade é que a partir de hoje a Siri será ajustada para processar por padrão todas solicitações por voz do usuário localmente, o que significa que ela não vai precisar de uma conexão com a internet para funcionar. Além da atualização garantir um aumento de velocidade por parte da IA e apenas ser possível a recursos que não envolvam a internet, a mudança também possibilita que ela torne-se mais privada por consequência, já que significa que não haverá como os dados serem compartilhados ou acessados remotamente – segundo a Apple, esse é justamente o principal temor que leva muitos usuários a não usarem um assistente de voz.

O iCloud, enquanto isso, vai ganhar uma nova modalidade batizada de iCloud+ para expandir as funcionalidades do serviço de armazenamento na nuvem. Entre os novos recursos e junto da quantidade ilimitada de espaço para guardar memória de câmeras de segurança, a Apple garante o Private Relay, uma espécie de VPN que vai criar duas camadas de segurança para ocultar a identidade do usuário e seus dados enquanto navega, e um sistema de e-mails chamado Hide My Email, que irá inventar endereços secundários para impedir que sistemas de monitoramento tenham acesso ao principal por formulários de cadastro – um fim efetivo do spam, em tese.

A expansão aparentemente não custará a mais para os clientes, embora não se tenha certeza de como fica a situação de quem assina os planos mais baratos. O iCloud em si ainda ganhou um recurso de legado digital, um programa que permite a usuários escolher quem pode acessar suas contas e arquivos em caso de uma fatalidade.

Por fim, o Safari e o Apple Mail foram atualizados de forma a esconder o IP do usuário de rastreadores, impedindo assim que outros saibam se a conta abriu ou não o e-mail, embora ainda não saiba exatamente como essa intermediação é feita. A Apple também disponibilizou um relatório de privacidade chamado de App Privacy Report, que permite aos clientes dos produtos da companhia a conferir como e o que todos os aplicativos instalados em seu aparelho ou sistema operacional estão usando, desde acesso a contatos e o microfone até os dados que foram acessados.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link