badnews-phone-impersonation

Prepara-se para fabricar algumas fake news no game “Bad News”

Jogo online criado por organização holandesa busca combater a desinformação tratando-a como ridícula

por Pedro Strazza

Em tempos onde o fake news se dissemina de forma viral pelas redes sociais e ameaça conduzir eventos político-sociais importantes como bem quer, as medidas de informação e combate a essa prática se tornaram muito importantes, sejam elas oficiais ou não. Depois do Facebook anunciar parcerias com o Google e o site Aos Fatos, um grupo formado por acadêmicos e jornalistas auto-intitulado DROG lançou agora um jogo educativo e de pesquisa sobre o tema, o “Bad News”.

Criado com o objetivo específico de “ajudar a criar resistência contra a desinformação”, o DROG concebeu o jogo exatamente para atender estas medidas. Assim como a estética, a proposta do game online é simples: o jogador atua como um fabricante de fake news, sendo guiado pelo game pelos meios nos quais grandes impérios de desinformação são criados, e vai ganhando badges ao longo do caminho – confira algumas abaixo. O que começa com um simples ato de impersonificar uma figura pública logo se converte em uma teia de arapucas e propostas maliciosas para triunfar sobre a mídia “lamestream”.

Inicialmente lançado na Holanda (cidade onde a sede do DROG fica), o “Bad News” é além de educativo um jogo de pesquisa. O game disponibiliza no começo e no fim das partidas um teste rápido, que pede para você discernir o que é e não é fake news à partir de tweets e manchetes.

Em entrevista ao Mashable, o fundador do DROG Ruurd Oosterwoud afirma que o “Bad News” nasceu da discussão sobre qual seria a melhor forma de combater o fake news. “Quando você quer derrotar a desinformação, bloquear nunca é uma opção. Ao invés disso, você deveria ridicularizá-la” ele afirma, emendando dizendo que o grupo tem esperanças de que “as pessoas vejam o jogo como um abrir de olhos e passem a ficar atentas das táticas que podem ser aplicadas para alterar as opiniões da sociedade na internet”.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link