Cultura

Oscar vai imortalizar iPhone usado por Sean Baker para filmar “Tangerine”

Um dos três modelos 5S utilizados pelo diretor no filme ganhará espaço permanente no Museu da Academia, que abre as portas em 2019

por Pedro Strazza

A cada ano que passa a popularidade de Sean Baker só aumenta. Embora ainda não tenha sido reconhecido como um candidato interessante pelos votantes do Oscar, o cineasta nos últimos tempos ganhou bastante atenção por seus trabalhos mais recentes, que incluem a sensação de 2017 “Projeto Flórida” e “Tangerine”. Foi por este último, inclusive, que a carreira de Baker começou a decolar, a princípio pelo uso de uma fotografia feita inteira no celular e depois pelo trabalho de suas duas protagonistas transgênero, cujo brilho foi capaz de mudar as regras da premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas sobre a nomeação de pessoas de identidade de gênero diferente ao de seu sexo na edição seguinte.

Mas a entidade responsável pelo Oscar não quis parar por aí este processo de reconhecimento tardio. Além das performances de Mya Taylor e Kitana Kiki Rodriguez terem feito a premiação perceber que estava na hora de criar o acesso da comunidade transgênero à estatueta pelas vias corretas (na prática, agora os atores e atrizes trans serão indicados às categorias do sexo com as quais se identificam), a entidade também acabou de adquirir um dos três iPhones 5S usados no filme para exibição no futuro Museu da Academia, que está sendo construído neste momento em Los Angeles.

O aparelho, que foi doado pelo diretor e terá um lugar permanente no futuro espaço de exibição da Academia, foi usado por Baker e o diretor de fotografia Radium Cheung com um aplicativo chamado FiLMIC Pro, que dava aos cineastas um melhor controle do foco da câmera, e um adaptador anamórfico que permitia a eles filmar em widescreen. Apesar de não ser o primeiro longa-metragem filmado com um celular, “Tangerine” é visto pela Academia como o primeiro e o mais bem sucedido exemplar desta produção até o momento, em especial graças à sua vitória no Spirit Awards (onde levou o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante).

Para marcar o anúncio da aquisição, o sempre inventivo canal do Oscar no YouTube lançou um vídeo que mostra Baker divulgando a doação do iPhone e revisitando as locações de “Tangerine”, agora completamente transformadas pelo que o diretor chama de um “processo de gentrificação” da região. Confira abaixo:

O Museu da Academia tem previsão de abrir suas portas em 2019.