CulturaNegócios

James Gunn é demitido do Marvel Studios após comentários ofensivos serem resgatados no Twitter

Diretor teve tweets com piadas relacionadas à pedofilia e estupro ressurgidas na internet na tarde de hoje; depois de pedir desculpas, Gunn deletou sua conta na rede

por Pedro Strazza

James Gunn está fora do Marvel Studios. O diretor, responsável pelos dois capítulos da franquia “Guardiões da Galáxia”, foi demitido pela Disney e o Marvel Studios após comentários ofensivos terem ressurgido hoje em sua conta no Twitter.

Em declaração à imprensa, o CEO do Walt Disney Studios Alan Horn afirma que “As atitudes ofensivas e declarações descobertas no feed do Twitter de James são indefensáveis e inconsistentes com os valores de nossos estúdios, e nós cortamos nossas relações de negócios com ele” (Fonte: The Hollywood Reporter).

A demissão aconteceu depois que usuários conservadores da plataforma fizeram ressurgir na rede uma série de tweets escritos por Gunn entre 2009 e 2013 que brincavam com temas problemáticos como pedofilia e estupro. Tendo recebido a notícia, o cineasta chegou a responder as acusações no microblog dizendo que “Muitas pessoas que seguem minha carreira sabem que quando eu comecei eu me via mais como um provocador, fazendo filmes e contando piadas que eram absurdas e consideradas tabu. Como já discuti publicamente muitas vezes, conforme eu fui evoluindo como pessoa meu trabalho e humor também foram”. Poucas horas depois, Gunn encerrou sua conta no Twitter, mas aí já era tarde demais.

Veja abaixo um compilado dos tweets mencionados abaixo.

Liderado pelo site conservador “The Daily Caller”, o movimento de resgate destas publicações teria sido feito porque o diretor é uma das várias celebridades que critica a administração do governo Trump em sua conta pessoal na plataforma. Algumas das principais contas pró-Trump inclusive chegaram a compartilhar os tweets pedindo para que os fãs confrontassem Gunn, que atualmente encontra-se presente na San Diego Comic-Con para o painel da Sony, onde se esperava o anúncio de um projeto envolvendo sua pessoa nos filmes da Marvel feitos pelo estúdio. De acordo com a Variety, esta participação foi cancelada de última hora depois dos acontecimentos.

[ATUALIZAÇÃO] Curiosamente, esta não é a primeira vez que declarações do diretor do tipo são contestadas pelo público. Em 2012, Gunn chegou a emitir um pedido de desculpas público após a GLAAD (Aliança Gay e Lésbica Contra Difamação) chamar a atenção para comentários homofóbicos feitos por ele uma publicação em seu blog em fevereiro de 2011. Na ocasião, ele afirmou que “estava aprendendo o tempo todo” com seus erros. [FIM DA ATUALIZAÇÃO]

Do lado da Disney, esta é a segunda vez que uma personalidade é expulsa do quadro de funcionários da empresa depois de serem feitos comentários polêmicos no Twitter. Em maio, a companhia liderada por Horn também demitiu a problemática Roseanne Burr e cancelou o revival de sua série “Roseanne” depois que a artista comparou uma ex-assessora do presidente Obama com os macacos de “Planeta dos Macacos”.

Já o Marvel Studios tem agora um problema no mínimo complicado de reajuste do calendário, pois o terceiro “Guardiões da Galáxia” era tido como uma das próximas produções do estúdio depois do lançamento de “Vingadores 4”. Com Gunn escrevendo o roteiro do filme desde o lançamento de “Guardiões da Galáxia Vol. 2”, o capítulo final da trilogia estava previsto para começar as filmagens no próximo outono americano, mirando uma estreia em 2020. Para piorar, Gunn era um dos principais nomes criativos do estúdio, ajudando na produção-executiva de outros tantos projetos e sendo responsável por funções como as filmagens de todas as participações especiais de Stan Lee, por exemplo.