CulturaSocial Media

Apple e Spotify removem famosos podcasts de Alex Jones por discursos de ódio

Facebook também deletou páginas vinculadas ao trabalho do notório teorista da conspiração, como a dedicada ao programa Infowars

por Matheus Fiore

Alex Jones, um dos mais notórios teóricos da conspiração e propagadores de fake news dos Estados Unidos, acaba de ver seu podcast banido dos serviços da Apple e do Spotify, além de ter quatro páginas excluídas do Facebook.

A remoção das páginas – the Alex Jones Channel Page, the Alex Jones Page, the Infowars Page e the Infowars Nightly News Page – vem após o Facebook impor uma punição de trinta dias para Jones, com a alegação de que, por meio destas páginas, Jones propagada discurso de ódio e violência.

O podcast War Room foi removido pelo mesmo motivo. De acordo com um representante da Apple, o programa não seguia das diretrizes da empresa para manter um ambiente seguro para todos os usuários. “Podcasts que violem nossas diretrizes são removidos de nosso diretório, o que impede que eles sejam encontrados para download ou streaming. Acreditamos em representar uma ampla gama de pontos de vista, desde que as pessoas sejam respeitosas com as opiniões divergentes”, disse a declaração.

Já o Spotify, que já havia removido alguns episódios do podcast de Jones, dessa vez tirou todos os episódios do The Alex Jones Show de sua plataforma. O podcast de seu site, o Infowars, porém, permanece disponível.

Desde a criação do Infowars, em 1999, Jones construiu uma grande audiência. Entre as teorias que ele já promoveu, algumas das mais famosas são as que dizem que os atentados de 11 de setembro de 2001 foram encenados pelo governo americano.

Ele também divulgou uma teoria de que o massacre de Sandy Hooks foi forjado por forças da esquerda para promover o controle de armas. O tiroteio resultou na morte de 26 crianças e adultos em uma escola em Connecticut.

Jones está sendo processado no Texas pelos pais de Sandy Hooks, que pedem por pelo menos 1 milhão de dólares sob alegações de que foram perseguidos por seu programa.

Já não é novidade vermos páginas extremistas, como a Infowars, fazendo uso das redes para propagar não só discurso de ódio, como notícias falsas e fatos falsos. Mesmo que seja uma tarefa árdua combater a desinformação e a alienação, não deixa de ser um alívio ver que as principais redes ainda fazem sua parte para reduzir o alcance desses grupos.