Gente - O futuro da experiência • B9

O futuro da experiência

Gente 23

Ouvir O futuro da experiência no Spotify
Ouvir O futuro da experiência no Google Podcasts
Ouvir O futuro da experiência no Apple Podcasts
Ouvir O futuro da experiência no Pocket Casts
Ouvir O futuro da experiência no Pocket Casts
Capa - O futuro da experiência

Gente Conversa 23 fala sobre o conceito da realidade mista e híbrida e de como isso vai impactar a vida da sociedade daqui para frente

A pandemia chega em um momento em que a vida ainda é vivida dentro de casa, mas com a vacinação, escola, trabalho e eventos já retomam ao presencial, mantendo hábitos desenvolvidos durante o isolamento. E assim o termo híbrido vai tomando conta da cena e as experiências de cada um devem ser levadas em consideração, uma vez que geram emoções e as marcas buscam isso cada vez mais.

Para debater esses assuntos, o novo episódio de Gente Conversa, sob o comando de Ju Wallauer, traz os convidados Priscila Braga, CEO do GExperience; Franklin Costa, cofundador do ØCLB; Luciano Luccas, head de Brand Experience da Coca-Cola; e Duda Pereira, Gerente de Relações Públicas da Globo, que vão falar sobre o “Futuro da Experiência”. A conversa começa com o questionamento: como fazer os melhores dos mundos – unir as vantagens do digital com as emoções do presencial. E todos são categóricos: não é uma coisa ou outra e é preciso que o digital tenha ferramentas para fazer essa conexão.

“Dependendo do conteúdo eu consigo otimizar muito mais no digital. Mas há momentos em que o coletivo faz muita falta e é insubstituível. Contudo, os dois formatos têm vantagens, se complementam. Basta buscar o equilíbrio entre eles”, compara Priscila Braga.

Para Luciano, uma fronteira caiu e é apenas preciso gerenciamento. “O cenário é assim. Comercialmente é melhor ainda, pois consigo alcançar pessoas físicas e ainda ampliar. O negócio tem capacidade de aumento exponencial”, analisa.

E atenção: Franklin explica que é “pecado” pensar que no modelo híbrido basta colocar uma webcam no cenário. “Tudo é percepção e no online a leitura é diferente. É preciso construir uma leva de profissionais que saibam trabalhar com essa linguagem e roteirizar onde está sendo trabalhada a emoção”, explica o cofundador do ØCLB.

Vem conversar com a gente =)