Ativismo & militância digital

Mamilos #220

Jornalismo de peito aberto

Militância e ativismo são metodologias usadas para o mesmo fim: agir em conjunto para interferir nas normas. Porém, tratam-se de metodologias diferentes e, portanto, produzem efeitos diferentes em quem as usa. Não precisa pensar muito para perceber a aproximação entre as palavras militância e militar. Militar requer disciplina. Isso envolve regras rígidas, controle, padronização, repetição, hierarquia e regularidade.

O militante é aquela pessoa que se convence de que não adianta se mobilizar em apenas alguns momentos, mas permanentemente. Dedica parte do seu dia a dia a se organizar com outros para conquistar apoio a uma causa, seja uma mudança local em seus bairros, seja uma transformação global como a luta ambiental – ou ambas as coisas de forma articulada. Um exemplo são partidos políticos, sindicatos, movimentos religiosos e torcidas organizadas.

Em contrapartida, ativistas como o Movimento Passe Livre em 2013, feministas, coletivos negros, protetores de animais, e outros diversos  têm preferido arranjos descentralizados, nos quais a liderança e as decisões são partilhadas entre muitos. Eles vêm usando as novas tecnologias de comunicação e informação para dar corpo a suas ações e têm na ideia de redes seu modelo organizativo estratégico. Neles a importância da agência, da criatividade e das necessidades singulares imediatas são reconhecidas e valorizadas. 

A internet amplificou muito o alcance desses grupos, mas nos últimos anos, o cenário está mais difícil. Antes de 2014, o que você postava em uma página do Facebook aparecia automaticamente para mais de 12% de seus curtidores. Quem produzia mensagens relevantes mobilizava uma base, atraía cada vez mais seguidores e organicamente conseguia criar uma onda que podia varrer toda a rede. A partir de 2014, esse número passou para cerca de 6%. Em 2016, o número de pessoas para quem a postagem é entregue chegou a 2% e continua reduzindo. E essa é a tendência das outras redes sociais.

Quer que mais gente tenha acesso a seu conteúdo no Facebook? Pague. Hoje quem não paga pelo conteúdo está fadado a ter uma visibilidade quase nula. Vai abrir um canal no YouTube? Hoje em dia, as chances de se tornar relevante sem se enquadrar nas regras da rede são mínimas. Você até posta o que quiser, mas seu conteúdo não vai passar na “cláusula de barreira”.

Nesse cenário, influenciadores, que conversam com um grande público aumentam sua relevância pois oferecem uma forma de continuar alcançando  as pessoas de forma orgânica. Mas não é uma tarefa fácil, eles estão expostos a constante escrutínio, sobrevivendo em um ambiente CANCELAMENTOS. Já falamos aqui sobre a pobreza das conversas que acontecem em 280 caracteres, com os incentivos dos algoritmos para a lacração. Nesse contexto, como já dizia Dilma Não acho que quem ganhar ou quem perder, nem quem ganhar nem perder, vai ganhar ou perder. Vai todo mundo perder. 

Eu já fui cancelada, a Cris já foi cancelada. Essa semana uma das grandes discussões de cancelamento girou em torno da história de que Raul Seixas entregou Paulo Coelho para os torturadores da ditadura. Na velocidade do som, o músico foi cancelado por uma horda. Chegou ao ponto do próprio Paulo Coelho defender o amigo: é admirável quem consegue proteger os seus mesmo sob tortura. Mas não existe honra em  julgarmos pessoas do quentinho dos nossos sofás sem compreender os contextos. 

No final das contas, militância ou ativismo de sofá, funcionam? Qual é o impacto desse tipo de articulação na política e na cultura, e no atendimento de metas concretas de curto, médio ou longo prazo? Pra conversar sobre isso reunimos três perfis de mulheres que apoiam causas em redes sociais.

Download | iTunes | Android | Feed | Spotify

=====

BRADESCO

Vamo falar de festa? E não é qualquer festa não, é a Oktoberfest Blumenau 2019!

O Bradesco é patrocinador oficial deles e nesse ano resolveram levar as Avós da Razão, três senhoras youtubers, para viverem a experiência da segunda maior Oktoberfest do mundo!

Essa é pra mostrar que farra não tem idade mesmo, hein?

A previsão é de que 500 mil pessoas passem por lá esse ano. E se você não for uma delas, relaxa! Dá pra acompanhar a cobertura no Instagram do Bradesco!

Confere lá!

=====

SPOTIFY

Agora a gente vai falar de um evento muuuito bacana que tá chegando. Spotify for Podcasters Summit, dias 1 e 2 de novembro, em São Paulo, na Cinemateca Brasileira. Um eventão pra juntar todo mundo que se interessa e que ama podcasts pra falar de mercado, publicidade, jornalismo, linha editorial… é assunto pra mais de metro!

E se tem uma coisa que podcaster gosta é de falar, né? Nossos companheiros de B9 que fazem o Naruhodo, Dibradoras, Braincast e Autoconsciente também estarão no evento. Além do nosso designer parceiro Johnny Brito e editor Caio Corraini! E, claro, muitos outros podcasters, olha que lindo!

Dia 1 a Ju estará na mesa falando sobre “A arte do pitching”. Dia 2, a Cris estará na mesa “Se reinventando no podcast”. E ainda no dia 2 as duas participam do encerramento do evento com outros podcasters, fazendo um crossover do barulho.

É isso! Dias 01 e 02 de novembro temos esse encontro marcado em São Paulo com alguns dos melhores e maiores podcasters do Brasil, no Spotify For Podcasters Summit. Fique de olho!

=====

FALE CONOSCO

. Email: [email protected]
. Facebook: aqui
. Twitter: aqui

========

CONTRIBUA COM O MAMILOS

Quem apoia o Mamilos ajuda a manter o podcast no ar e ainda recebe toda semana um apanhado das notícias mais quentes e interessantes do jeito que só o Mamilos sabe fazer. É só R$9,90 por mês! Corre ler, quem assina tá recomendando pra todo mundo.
https://www.catarse.me/mamilos

========

EQUIPE MAMILOS

Edição – Caio Corraini
Produção – Beatriz Fiorotto
Apoio à pauta – Jaqueline Costa & grande elenco
Publicação – B9 Company

========

CAPA

A capa dessa semana é de autoria de Johnny Brito.