Dá pra ser disruptivo todos os dias?

The Shift #02

Ideias disruptivas que transformam todo um mercado nem sempre nascem de lugares óbvios. E os famosos “departamentos de inovação” não garantem que uma empresa seja disruptiva. Convidamos Humberto Matsuda, investidor e mentor de startups e grandes empresas; e Catarina Cicarelli, gerente de comunicação da Transferwise, para saber o que define um comportamento disruptivo. Na lista dos itens fundamentais estão cultura corporativa aberta ao erro, foco no cliente, diversidade, e disposição à experimentação constante. Bora lá disruptar?

=====

Os clientes hoje esperam conversas com formatos de atendimento mais personalizados, humanos e ágeis em canais diversificados e interativos. Não é àtoa que a lista de cinco 5 tendências de tecnologia de atendimento ao cliente, do Gartner, inclui assistentes virtuais, interfaces conversacionais e chatbots, apoiados por um ecossistema de ferramentas de Analytics e inteligência.A plataforma Omnichannel Genesys, da Embratel, usa recursos de inteligência artificial e conecta todos os canais de atendimento na nuvem, incluindo chatbot, voz, e-mail, e formulários da web.  Confira detalhes em www.embratel.com.br/omnichannel.

=====

LINKS DO EPISÓDIO

• Da falta de grana para pagar o aluguel e da experiência de uma venda de garagem, Joe Gebbia e Brian Chesky tiraram a ideia que deu origem ao Airbnb.

• Dois amigos estonianos – Kristo Kaarmann e Taavet Hinrikus – acharam um jeito de economizar muito transferindo dinheiro entre países e criaram a TransferWise; 

• O professor Clayton Christensen explica, em entrevista, o que é afinal a sua teoria da inovação disruptiva.

O futuro preocupante nas páginas da ficção científica, e o novo best-seller de Nicholas Taleb. Três dicas de livros de Humberto Matsuda:

  • Daemon – livro genial de Daniel Suarez sobre programas maliciosos que esperam, dormentes, a hora de atacar;

• Catarina Cicarelli indica a minissérie Years and Years da HBO, que vai tirar seu sono mostrando um futuro distópico que começa em 2019.

• Na Década de 70, em uma entrevista para AT&T, Arthur Clark, previu dispositivos e aplicativos para enviar mensagens para os amigos que seriam mais atraentes que as informações do rádio e da TV. 

Change Agent, novo livro de Daniel Suarez, se passa em 2045, quando a tecnologia de manipulação genética CRISPR é usada para controlar a evolução.

Memória e esquecimento na Internet, do pesquisador Sergio Branco, explora os dilemas em torno do direito individual ao esquecimento na grande rede.

=====

FALE CONOSCO

Email: [email protected]

ASSINE A THE SHIFT

www.theshift.info