SXSW 2019: Modelos mentais limitantes e seu impacto nos negócios

Evento reforçou necessidade de encontrar nas grandes empresas novas correntes de pensamento que escapem do conforto do raciocínio comum

por Marina Dolinsky / Senior Client Partner, Twitter

Um dos grandes pontos em torno da diversidade e inclusão nas corporações é o seu benefício em trazer diferentes perspectivas para as discussões, levando a resultados mais criativos para resolver os mais variados problemas de negócio.

Ao longo do SXSW, inúmeras palestras e painéis trataram dos aspectos da diversidade em torno de questões raciais, religiosas, de gênero, gerações e tantas outras que eu nem arriscaria fazer uma lista detalhada. O benefício por trás de todas? Grupos diversos pensam melhor – e não há nada mais rico e produtivo para um negócio do que ter várias mentes diferentes elaborando ideias.

“Se todos pensam igual, então ninguém está pensando” é a máxima atribuída a Benjamin Franklin, que alerta para a um fenômeno explicado pela psicologia chamado Efeito do Falso Consenso, um viés cognitivo que faz com que as pessoas tenham uma tendência a extrapolar a dimensão de suas crenças e opiniões, acreditando que haja um senso comum que, na verdade, não existe.

Esse tipo de viés, do qual de nenhum de nós está livre por completo, nos vicia nas nossas próprias concepções e interpretações da realidade e, no mundo dos negócios, pode levar a inúmeros fracassos de produtos e serviços que são concebidos sem levar em consideração as perspectivas e necessidades de seus reais usuários e consumidores.

Nosso cérebro é, ainda, culpado também por não nos sentirmos confortáveis em sermos expostos a discussões que nos fazem questionar nossas próprias concepções e nos tiram da zona de conforto. Em sua palestra “Yes, Lack of Experience Can Benefit Your Business”, Tom Burden –  CEO na Grypmat – diz que “trabalhar 8 horas por dia é muito mais fácil do que crescer 8 horas por dia”.

Burden fala bastante do quanto nossos modelos mentais e culturas organizacionais estão muito mais focadas no medo de falhar do que na necessidade de aprender – tema que está extremamente em voga nas discussões sobre gestão e liderança atuais e que tem levado cabeças das mais variadas indústrias a abraçar o valor da vulnerabilidade e da inclusão no ambiente de trabalho.

Neste contexto, é muito importante promover a troca de experiências entre colaboradores com características e skills diversos, porém, é extremamente necessário também criar um ambiente onde tais diferenças possam ser não apenas toleradas, mas utilizadas e elevadas com o objetivo de alcançar melhores resultados como grupo.

> Confira a cobertura completa do B9 no SXSW 2019

Compartilhe: