Músicos tocam instrumentos feitos de gelo em ação do Greenpeace para preservação dos oceanos

Performance conta com sinos, cornetas, instrumentos de percussão e um violoncelo feitos quase que inteiramente do material

por Pedro Strazza

Em mais uma ação para conscientizar o público dos efeitos e perigos da fragilidade cada vez maior do meio-ambiente frente o aquecimento global, o Greenpeace decidiu ir até o Ártico para criar um show… feito de gelo. A convite da entidade, quatro músicos viajaram até a região para fazer uma performance da canção “Memórias do Oceano” com instrumentos feitos do material, uma condição só possível graças às baixas temperaturas do continente – que chegam a fica abaixo dos -12 graus Celsius.

Com sinos, cornetas, um violoncelo e um instrumento de percussão construídos primariamente de gelo, o espetáculo foi feito para divulgar uma petição da própria ONG que clama aos governantes ao redor do globo que ajudem na criação de um tratado pela preservação dos oceanos, especialmente no advento de novas regulações que protejam pelo menos 30% das águas até o ano de 2030.

A campanha não vem sem motivo. A região do Ártico em 2019 vem vivendo até o momento o seu pior ano em termos de degelo, com a temperatura média de seus mares tendo chegado a ficar 8 graus acima do normal nestes quatro primeiros meses. “Ao jogar os holofotes sobre o oceano Ártico e a perda de gelo, nós queremos enfatizar a necessidade imediata por santuários oceânicos não apenas para o pólo norte, mas para o planeta inteiro” declara o ativista oceânico Halvard Raavand sobre a ação; “Ao longo do próximo ano, os governantes estão negociando com as Nações Unidas para um Tratado Global dos Oceanos que pode pavimentar o caminho para a criação de uma rede de santuários oceânicos”.

Além da performance musical (que você pode conferir na íntegra acima), o Greenpeace ainda pretende realizar no próximo ano a sua mais ambiciosa expedição, uma viagem de pólo a pólo que parte do Ártico e cobre todos os mares fora das regiões nacionais.

Você pode assinar a petição aqui.

Compartilhe: