Sites de jornalismo têm registrado recordes de assinantes mesmo derrubando paywalls

Pico de assinaturas visto nos EUA e na Europa é fruto do interesse dos leitores em permanecer informados durante a pandemia de coronavírus

por Soraia Alves

Alguns veículos de comunicação dos Estados Unidos e Europa estão vendo um aumento no número de assinaturas nas últimas quatro semanas. O pico é fruto do interesse dos leitores em permanecer informados durante a pandemia de coronavírus. O interessante é que a maioria desses veículos já adotou a “derrubada do paywall” para notícias do assunto, passando a liberar gratuitamente todas as informações sobre a COVID-19.

Nos EUA, as assinaturas digitais aumentaram 63% na semana passada, em comparação com o mesmo período do ano anterior, de acordo com a plataforma de tecnologia Piano, que trabalha com 300 clientes em todo o mundo, incluindo revistas, jornais e portais de notícias. “No momento, estamos vendo um aumento nas aquisições e nenhuma evidência de mudança nos cancelamentos ativos”, disse Michael Silberman, vice-presidente sênior de estratégia da Piano.

A Bloomberg Media está vendo números recordes de assinantes desde fevereiro. A contagem média diária de novos assinantes é três vezes mais alta que o habitual, de acordo com a editora. O Atlantic também teve sua melhor semana de crescimento de assinantes.

O TechCrunch criou um espaço especial e gratuito para a cobertura relacionada à saúde e segurança durante a pandemia, mas a cobertura relacionada ao modo como os investidores ou startups estão lidando com a situação, conteúdo direcionado à sua base de assinantes, é mantida como exclusiva para assinantes.

Veículos como The Economist e The Daily Beast já funcionam com paywalls parcialmente abertos. Outros têm aproveitado a liberação do paywall para incentivar as assinaturas, como o Chicago Sun-Times, que enviou um email aos leitores dizendo que abriu toda a cobertura relacionada ao coronavírus, mas que eles podem apoiar seu jornalismo se inscrevendo.

O aumento das assinaturas é maior na Europa, chegando a 267% mais inscrições só na última semana, em comparação com o ano anterior, incluindo veículos como The Telegraph, The Independent e o The Spectator. Esse aumento é explicado pelo fato da Europa, hoje, ser o epicentro da pandemia, especialmente pela situação da Itália, onde o impacto do coronavírus tem sido devastador.

Compartilhe: