Pesquisa da Deezer aponta mudanças na forma de consumir streaming durante a quarentena

Enquanto os streams que aconteciam durante o deslocamento das pessoas obviamente caíram, no mesmo período despontaram as audições em aparelhos domésticos e buscas de acordo com o "mood"

por Soraia Alves

A fim de descobrir como anda o consumo de áudio através das plataformas de streaming durante a quarentena no Brasil e no mundo, a Deezer realizou um levantamento entre os dias 02 e 22 de março, e que aponta resultados interessantes no comportamento dos ouvintes. Enquanto os streams que aconteciam durante o deslocamento das pessoas obviamente caíram por conta da pandemia de Covid-19, no mesmo período despontaram as audições em aparelhos domésticos, rádios ao vivo e buscas de acordo com o “mood”.

“Com o distanciamento social que estamos enfrentando neste momento, todos estão se adaptando a uma vida totalmente nova. É preciso manter os seus filhos entretidos, a boa-forma, a saúde mental e, ainda por cima, equilibrar trabalho e tempo pessoal – tudo isso sem sair de casa”, afirma Aurélien Hérault, Chief Data & Research Officer global da Deezer.

Uma das principais mudanças causadas pelo isolamento social no mundo todo é também uma das mais óbvias: o fim do deslocamento diário de milhões de pessoas. No stream, isso significa que em vez do habitual horário de pico das 7h, o mundo agora tem dado play em suas faixas entre 9h e 10h. 

Aos finais de semana, as pessoas estão escutando mais música durante a tarde, algo que nunca ocorreu antes. Sextas-feiras anteriormente reuniam o maior volume de streams da semana, e agora, pela primeira vez, todos os dias se comportam iguais. 

Os dados também mostram que as pessoas precisaram de cerca de 10 dias para se adaptarem à nova vida mais solitária. Na Itália, por exemplo, os níveis de engajamento caíram no início, e voltaram a se estabilizar após a primeira semana de isolamento. Países como França tem mostrado o mesmo comportamento – e é muito provável que o Brasil também siga essa tendência.

Nesse processo de estabilização, a Deezer percebeu a demanda das pessoas por conteúdos que refletiam seus humores. Decorrida apenas uma semana do lançamento do canalVida em Casa, que ocorreu no dia 23/03, a reprodução de playlists comoMellow Daysaumentaram 335%, “Feel Goodse tornou a segunda mais transmitida globalmente no canal e Happy Hits teve um aumento de 53% também globalmente. 

No Brasil, a playlistCalmariateve um crescimento de 267%, seguida pela Slow-Fi, feita para ajudar as pessoas a descansarem, que atingiu crescimento de 217%. Artistas que se engajaram com o público em lives também tiveram um crescimento em streams. Gusttavo Lima, por exemplo, teve um aumento de 40% em streams no último domingo em relação aos domingos anteriores, após a transmissão ao vivo que fez no sábado. Michel Teló também teve um consumo 40% maior no sábado, depois da live de sexta. Já Sandy viu seus streams crescer 46%.

O boom dos rádios e playlists de MOOD

Rádio: à medida que a incerteza aumenta e passamos mais tempo dentro de casa, temos mais necessidade de notícias e saber o que está acontecendo no mundo. Apesar da queda registrada de streaming de músicas, as pessoas passaram a ouvir rádio ao vivo, que cresceu globalmente em 19% nas últimas duas semanas. Na última semana, aumentou mais 2% no mundo todo.

Podcasts: apesar dos bons resultados gerais do podcast global, os temas crianças, esportes e meditação estão crescendo ainda mais após o lançamento do canal “Vida em Casa”. Os pais, que agora precisam equilibrar o trabalho com o entretenimento de seus filhos, apostam nos podcasts de conteúdo infantil para ajudar nessa missão – após o lançamento do canal, a quantidade de usuários ativos nesta categoria cresceu 218%. As pessoas também têm aproveitado os podcasts de treinamento esportivo, que cresceram 194%, para se manterem em forma, e apostado nos conteúdos de meditação, que cresceram 132%, como maneiras de se acalmar e manter a ansiedade sob controle nesse momento.

Música: como consequência de muitas pessoas trabalhando de casa, o streaming de faixas da playlistWork From Home aumentou 391%* nos dias que se seguiram ao lançamento do canal “Vida em Casa”. No entanto, estar em casa não significa abrir mão da sua saúde física, e o exercício físico continua sendo uma prioridade para muitos – a playlist Sport Motivation é a mais transmitida no canal no mundo todo e o streaming de Yoga e Meditação também cresceu significativamente, atingindo 366% em uma semana. 

No Brasil, as pessoas também compartilham dessa motivação para se manter em forma, com Malhando em Casacrescendo 227%. No entanto, a playlist que mais cresceu aqui foi a Mundo Disney (3.634%), demonstrando a grande necessidade dos pais brasileiros de entreterem seus filhos enquanto se dedicam ao trabalho em casa.

Uso de aparelhos domésticos

Como não existe mais a necessidade de pegar os fones de ouvido e dar o play no celular durante o trajeto casa-trabalho, trabalho-casa, as pessoas têm passado a utilizar outros dispositivos para ouvirem músicas e podcasts, como é o caso de computadores, smart TVs, assistentes virtuais, entre outros.

Uma das apostas para as próximas semanas é que playlists e podcasts de diversos temas continuem crescendo, à medida que ajudam na vida cotidiana em ambientes fechados. Assuntos como culinária, cultura e condicionamento físico devem se tornar ainda mais relevantes.

Compartilhe: