Assento que aumentava conforto do sono nos voos mais baratos é adaptado para reforçar distanciamento social
200601175316-economy-no-wings-blue-view2

Assento que aumentava conforto do sono nos voos mais baratos é adaptado para reforçar distanciamento social

Interspace Lite busca proporcionar uma sensação maior de conforto ao isolamento dos passageiros durante a viagem

por Pedro Strazza

No fim do ano passado, uma agência de design britânica chamada Universal Movement lançou durante uma feira de inovação em viagens aéreas um modelo de assento com “abas laterais estofadas” que permitiam ao passageiro encostar a cabeça e dormir. Nomeado Interspace, a criação era a salvação dos exaustos e dorminhocos, especialmente por permitir uma modalidade de repouso durante os voos que não envolvesse deixar a cabeça “à deriva” enquanto se apaga.

Até o visual da cadeira acompanhava o lado simpático da ideia, veja bem.

Mas como quase tudo no mundo pós-coronavírus, o que começou como um projeto para melhorar a experiência de vida agora foi adaptado para uma realidade pandêmica onde sobreviver é essencial. Pouco mais de um semestre depois do anúncio, o Interspace ganhou uma nova versão apelidada de Interspace Lite, que vem para ajudar a garantir o distanciamento social dentro do espaço fechado dos aviões comerciais.

A proposta da versão Lite na prática é a mesma de uma série de movimentações recentes das companhias aéreas para bloquear o uso do famigerado “assento do meio” nas fileiras e garantir que exista um espaço mínimo entre os passageiros, com um pouco mais de design envolvido na equação. Ao invés de uma “telinha” transparente, o novo Interspace basicamente “junta” as abas da versão anterior na cadeira, criando uma sensação de isolamento mais confortável aos passageiros – além de não ser permanente, dado que a invenção pode ser desacoplada da cadeira a qualquer momento.

Em entrevista à CNN, o fundador da empresa Luke Miles diz que o maior desejo com o assento seria providenciar uma solução ao momento atual que não soasse como puramente “medicinal”: “Nós não queremos lembrar as pessoas onde elas estão, nós apenas queremos as deixar mais confortáveis” declara o executivo, que ainda comenta que a Universal Movement já fechou parceria com a fabricante Safran para viabilizar a venda até o começo do segundo semestre.

O cenário pede soluções do tipo, vale acrescentar. O mercado de viagens foi tão afetado pela pandemia do coronavírus que grandes companhias aéreas como a LATAM e a Avianca entraram na justiça estadunidense com pedidos de recuperação judicial nas últimas semanas, com relatos de redução de até 95% dos voos e demissões na altura dos 1400 funcionários.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link