"Mães Paralelas" reforça novo momento do cinema de Pedro Almodóvar
Imagem: Divulgação

“Mães Paralelas” reforça novo momento do cinema de Pedro Almodóvar

Melodrama estrelado por Penélope Cruz existe tanto na manifestação de pesares históricos quanto na interiorização de conflitos emocionais

por Pedro Strazza

O tema da maternidade é um que atrai Pedro Almodóvar durante toda a carreira, mas para além da análise interior impressiona que histórias do tipo tenham ganhado tratamentos tão diferentes em seu cinema. Diretor também muito consciente da sua posição de autor, o espanhol manteve uma evolução constante de sua forma desde que estourou pela primeira vez no fim dos anos 80 com “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos”. É um movimento muito bem definido como uma interiorização de procedimentos, os quais até então sobreviviam na explosão e contestação.

Mas ainda que hoje seja muito evidente essa transformação do artista ali na virada dos anos 2000, entre a consagração nos meios nobres da indústria e os filmes mais recentes se nota também um segundo refinamento da direção de Almodóvar – talvez mais discreto no processo, embora muito presente. Isso porque da inversão de operação promovida por “Fale com Ela” e “Tudo Sobre Minha Mãe” para os novos “Dor e Glória” e “Julieta” se percebe como o cineasta não hesita em trafegar nos dois sentidos, trabalhando narrativas que servem tanto o alegórico quanto o melodrama tradicional que tanto o agrada. Muito se comentou da fragilidade estrutural de “Julieta” ou do protagonismo de Antonio Banderas em “Dor e Glória” nos respectivos lançamentos, por exemplo, mas parece escapar sempre o comentário do quanto seus intuitos mexem tanto em manifestações interiores dentro de filmes de gênero muito sedimentados, representados em atos como a passagem do tempo pelo uso de uma toalha no primeiro ou das memórias reencenadas pelo segundo.

“Mães Paralelas” é mais um passo tomado nesse caminho. De novo no campo do melodrama, o diretor parte de uma história de amizades e amores cruzados que em tese não deixa de ser uma grande repetição do que já vem fazendo nos últimos vinte anos, inclusive nas parcerias perante e atrás das câmeras – além de nomes como Penélope Cruz, Rossy de Palma e Julieta Serrano no elenco, criativos como o diretor de fotografia José Luis Alcaine e a produtora Esther García de novo colaboram com Almodóvar. Mas há algo de diferente na formulação e mesmo nos rumos do projeto, uma sutileza de olhar ainda mais atenta à expulsão dos eternos tormentos que sempre moveram o artista no leme.

Pedro Almodóvar (à direita) com Penélope Cruz no set

Voltando ao início, a premissa do novo projeto segue o ideário sirkiano de sempre de Almodóvar, acompanhando a história de duas mulheres que por coincidência do destino acabam por parir quase que simultaneamente no mesmo hospital. Também mães solteiras, a fotógrafa Janis (Cruz) e a jovem Ana (Milena Smit) acabam por nutrir uma amizade a partir do encontro, mas perdem o contato e se reencontram alguns meses depois em situações muito distintas: a primeira suspeitando de que o filho não é seu e a última sozinha com a cria falecida.

É dessa situação – e do desenrolar de Ana ir morar na casa de Janis – que o diretor trabalha a relação das duas protagonistas menos por uma questão dramática de fato que por noções de territorialização, uma manobra inesperada dado o cenário. “Mães Paralelas” abre e fecha em torno da discussão de uma fossa que serviu à ditadura militar do general Franco para enterrar rebeldes durante a Guerra Civil Espanhola, mas fora desses momentos o tema existe na narrativa apenas como conceito abstrato, pertencente ao espectador para que este por sua vez aplique-o ao drama encenado. O corpo do filme se revela a partir disso, inclusive, sobretudo em como os dilemas enfrentados pela personagem de Cruz contradizem sua posição de luta pela preservação da memória.

O tema histórico existe na narrativa como conceito abstrato, pertencente apenas ao espectador

compartilhe

A razão do melodrama então é externa ao eixo de cena, e daí que se começa a notar os méritos da direção em conseguir organizar a narrativa dentro de uma proposta tão peculiar. Ainda mais porque Almodóvar arrisca bastante no trabalho de montagem, com flashbacks súbitos que levam ao pé da letra o “paralelas” do título para reforçar o construto em movimento. E para além do admirável trabalho de montagem de Teresa Font e da trilha sonora sutil de Alberto Iglesias, vale destacar sempre o esforço de Cruz e Smit para compor suas personagens dentro de tamanhas complexidades, permitindo que o espectador acompanhe cada passo do drama tanto por uma perspectiva interiorizada (a situação materna) quanto alegórica (a questão da memória que assombra os arredores).

Vale preservar nessa hora o mistério de várias das ditas reviravoltas do filme, mas também é justo comentar que nenhuma delas soa exatamente chocante porque é dessa posição de consciência que Almodóvar permite ao público ligar sozinho os pontos na estrutura. É um jogo confesso do princípio, mas que não assume o artificial em momento algum até por questão de legitimidade dos atos – não faria sentido fazer um filme sobre a História a partir de uma condição que nega a trama a quem assiste, afinal.

A razão do melodrama é externa ao eixo de cena, e daí se começa a notar os méritos da direção

compartilhe

É justo nestas pequenas constatações que se entende o atual novo momento do cinema de Almodóvar. “Mães Paralelas” não cabe à fase inicial do diretor por ser muito resolvida no filme de gênero que prioriza a absorção, mas tampouco se adequa a outras de suas produções recentes por entender que a alegoria é uma ferramenta útil para a demonstração das pequenas torturas emocionais desenvolvidas. O diretor parece se entender agora nesse vaivém narrativo, extraindo o melhor possível das duas condições em obras que se saem bem tanto na abstração quanto na materialidade dos atos.

Dentro disso, é muito preciso que este novo filme se encerre não pela resolução do melodrama – até porque o cineasta permite que as protagonistas acertem as contas sem grandes efeitos – mas pelo registro emocional do viés histórico buscado. A imagem final do longa reforça não apenas a mensagem de Almodóvar com a trama, mas as dores envolvidas no resgate e correção de atos que permeiam todos os lados de sua obra. A maternidade aqui é a base de tudo, enfim.

“Madres Paralelas” está em exibição cinemas brasileiros e chega à Netflix nesta sexta-feira, 18 de fevereiro.

A pandemia ainda não acabou. Embora a vacinação avance no país, variantes do coronavírus continuam a manter os riscos de contaminação altos no Brasil. Se for ao cinema, siga os protocolos e ouça as autoridades de saúde sobre o melhor curso de ação após completar o esquema vacinal.

nota do crítico

Compartilhe:
icone de linkCopiar link