Clicky

Hyper Island chega ao Brasil para ajudar a ‘pensar diferente’
hyperisland-capa

Hyper Island chega ao Brasil para ajudar a ‘pensar diferente’

A hypada escola digital promete oferecer ferramentas que auxiliam a lidar com o desconforto de não saber ao certo o que fazer

por Jacqueline Lafloufa

Desde a velha piada da ‘receita do viralzinho de sucesso’ até a mais recente sugestão dos ‘horários ideais para fazer uma postagem’, quem trabalha com o ambiente digital sabe que poucas vezes é possível realmente passar um ‘modo de fazer’ ou dar dicas exatas sobre como fazer algo dar certo no ambiente online.

Talvez por isso que os profissionais gostem tanto da Hyper Island, conhecida escola com foco no digital. Fundada na Suécia em 1996 e com campus e escritórios no Reino Unido, Estados Unidos e Cingapura, a Hyper chega agora também ao Brasil, oferecendo duas das suas Master Classes em São Paulo, nos meses de setembro e novembro.

Sob o comando de Nathalie Trutmann, que será a responsável LATAM da Hyper, a escola pretende trazer sua visão inovadora em cursos intensivos com duração de 3 dias, como é o caso da prestigiada master class de Digital Awareness. “Queremos oferecer ferramentas de trabalho e de liderança poderosas, para fazer essa transição [para o digital] de uma forma mais eficiente e menos dolorosa”, explicou Nathalie em entrevista ao B9.

A decisão de abrir uma unidade brasileira da Hyper se deu por conta do tamanho do mercado criativo local, bem como pela grande procura. Segundo a Nathalie, os brasileiros aparecem como o 2º maior grupo que procura pela escola, atrás apenas dos suecos. Considerando que a sede da Hyper fica na Suécia, os profissionais do Brasil se destacam pela ânsia de aprender.

A vantagem, para quem tem interesse em fazer uma das Master Classes, como são conhecidos os cursos intensivos, é economizar com a viagem internacional. “Vai dar para beber dessa fonte sem comprometer tanto a sua vida pessoal e financeira”, opinou Leonardo Senra, diretor de estratégia e de digital na Ana Couto Branding e ex-aluno da Hyper Island de Londres da turma de 2012. “Por mais que os ganhos profissionais e de experiência sejam enormes, nem sempre a conta fecha para quem precisa deixar o trabalho e se bancar em outro país”.

natalie-trutman-hyperAprender a aprender

As estatísticas de satisfação da Hyper Island são altíssimas, e quem fez o curso costuma recomendar que, havendo a possibilidade, outros profissionais também o façam. Mas ao invés de dar aulas sobre um determinado tópico, a proposta principal da escola digital parece ser a de fazer o aluno ‘aprender a aprender’.

Dentro do ambiente digital, muita coisa é efêmera, e a principal habilidade do profissional acaba sendo a de não se desesperar com o desconforto de não dominar um assunto. “Muita gente não entende isso logo de cara, mas o que a Hyper oferece é ferramentas para resolver problemas. O conhecimento, a habilidade, isso sempre muda – o que é preciso é aprender a buscar respostas”, destaca Fabio Resende, hoje líder time de design do Twitter e primeiro aluno brasileiro da Hyper, em uma entrevista para o site da escola.

Nathalie garante que não se trata de uma ‘versão de degustação’ dos cursos de fora do país – tanto que houve a preocupação de trazer ao país alguns dos seus principais professores, como Sarah Gregersen, Per Hakansson e um dos fundadores da escola, Jonatham Briggs. O ~precinho~, inclusive, também é em dólar, e os cursos serão ministrados em inglês.

Os alunos, contudo, alegam que o investimento é válido, e que a metodologia e a didática da Hyper são bem diferentes do que eles tinham encontrado aqui no Brasil anteriormente. “Não temos aulas ou professores, é tudo na base do workshop. Você aprende fazendo, o que eles chamam de  ‘learning by doing’. É intenso e não tem como não se engajar em todas as aulas. Funciona demais e te agrega muito no dia a dia do trabalho”, detalha Isabella Pipitone, ex-aluna da Hyper Island da turma de 2012, que hoje integra o time da R/GA.

Bu_BPIVIIAAsYUr

Essa vibe de incorporar o erro como uma forma de descobrir o melhor jeito de fazer pode ser um ensinamento no mínimo interessante. Em geral, alguém inovador é aquele que tem coragem de testar uma ideia e analisar o quanto ela foi bem recebida e o quanto ela não deu tão certo assim, e usar esses dados para tentar fazer melhor em uma próxima vez.

As Master Classes da Hyper Island de Digital Awareness acontecerão entre 25 e 27 de setembro e 6 e 8 de novembro, dentro do Coworking Space da Fiap, na Avenida Paulista, em São Paulo.

Compartilhe: