Tinder se irrita com Ministério da Saúde, que usou app em campanha para uso de camisinha

Para o app, foi um uso publicitário não autorizado. Independentemente disso, a sacada foi per-fei-ta

por Jacqueline Lafloufa

Chegou o Carnaval, época de pegação e de muito sexo, e exatamente o período em que o Ministério da Saúde brasileiro se esmera em conscientizar a população, em especial os jovens, sobre a importância do uso da camisinha.

Neste ano, o MS fez uma campanha sensacional, com foco em aplicativos móveis. Foram criados perfis falsos no Tinder e no Hornet, app voltado ao público gay, de personagens masculinos e femininos que buscavam sexo casual e sem proteção.

ministerio-saude-tinder

Os responsáveis pelos personagens circulavam por regiões badaladas do Rio de Janeiro, Brasília e Salvador, e quem interagia com eles era alertado do perigo de se relacionar sexualmente sem o uso da camisinha.

ministerio-saude-hornet-0

A ação, criada pela DigitalGroup, foi parte de uma extensa campanha mobile para a prevenção da AIDS, e acertou em cheio o público alvo. Cá entre nós, nem tinha cara de ação institucional do governo, né?

ministerio-saude-hornet

Mas o Tinder não ficou feliz com isso. A responsável pela comunicação corporativa do Tinder publicou em seu Twitter que iria providenciar a remoção dos perfis falsos que faziam parte da campanha, por conta do “uso indevido” para fazer propaganda.

O Ministério da Saúde se defende usando as próprias regras do Tinder, que proíbe o uso comercial do aplicativo – para o MS, a campanha teve uso institucional, o que não seria um comprometimento das políticas de uso do app.

Um posicionamento super careta para um app moderninho como o Tinder, né?

O app Hornet esclareceu ao The Verge que não permite que sejam feitas personificações dentro do seu app, nem autoriza publicidade, mas que no caso dessa campanha fará uma exceção e não vai retirar os personagens falsos do ar. E ainda melhor – o Hornet quer trabalhar em parceria com o Ministério da Saúde para melhorar o alcance da campanha, que os responsáveis pelo app consideram “uma ótima iniciativa”.

ministerio-saude-tinder-chat

É sempre interessante lembrar que outras ações publicitárias já ocorreram dentro do Tinder, como é o caso da campanha para encontrar pessoas desaparecidas, da OneWG, e da campanha da eightytwenty, que tinha como objetivo conscientizar sobre o tráfico sexual.

Ou seja, ponto para o Ministério da Saúde, que mandou super bem. E um pontinho negativo pro Tinder, que deixou a avareza tomar conta, ao invés de abraçar a causa, que é tão importante, ainda mais considerando o ramo de ‘negócio’ do app.

Compartilhe: