Avon reforça a importância da representatividade feminina com novo anúncio

Campanha 'Dona Dessa Beleza' mostra diversos padrões de mulheres

por Rafael de Almeida

Em parceria com a associação Mais Diferenças, a Avon lançou nessa semana uma campanha que reforça de maneira simples e clara a importância do espaço da mulher na sociedade e também na valorização das suas diferenças. Veja no vídeo acima.

Batizada de Dona Dessa Beleza, a campanha se propõe a bater mais uma vez na tecla de que cada mulher tem o seu estilo, que todas precisam ser tratadas com respeito e ter o seu espaço garantido. Não importa como ela seja, o que importa é que ela se sinta bem e se sinta mulher.

No vídeo a marca apresenta diversos padrões de mulheres, desde modelos plus size, transgênero, deficiente visual (com a participação especial da paratleta Terezinha Guilhermina) e uma com Síndrome de Down. Mulheres que são quem elas querem e que não precisam de ninguém para afirmar isso.

Paralelo a isso e aproveitando a Black Friday que se aproxima, a Avon irá adaptar todo o conteúdo de seu site para que ele se torne acessível para pessoas com deficiência, com a descrição de imagens, audiodescrição de vídeos, legendas e libras nos materiais da campanha. Presumidamente, essas adaptações devem continuar após o término da campanha – seria muito estranho se não fosse assim.

Não é de agora que a Avon se posiciona em assuntos que muitos julgam delicados mas que na verdade precisam ser abordados. Nesse ano por exemplo a marca já apoiou a causa LGBT dizendo que maquiagem é para todos e no ano passado usou sua linha de produtos para conscientizar as mulheres sobre a violência doméstica e a necessidade de denunciar os casos.

Esse é mais um passo importante no caminho do combate ao preconceito, seja de gênero, cor ou orientação, mas que as marcas não dependam somente de datas como o Dia da Mulher ou a Black Friday para mostrar que elas podem sim ser quem desejarem e sem precisar se importar com o resto.

Quer uma prova de que esse tipo de campanha ainda é importante? Basta olhar a quantidade de dislikes que o vídeo já recebeu no YouTube. E há quem diga que não existe preconceito.

A criação e produção é da agência Mutato.

Compartilhe: