Quem é o profissional de inteligência de mídias sociais no Brasil?

Pesquisa destaca predominância de jovens adultos nas funções e grande busca por cursos livres que ajudem na capacitação

por Jacqueline Lafloufa

Por trás de cada campanha de comunicação digital, certamente existe um time dedicado, que está tocando os bastidores daquela ação. Seja nas ações bem sucedidas, como as infinitas boas sacadas da Netflix, ou em situações mais delicadas, como recentemente aconteceu com o Catraca Livre, uma pesquisa mostra que quem provavelmente está nos bastidores é um jovem adulto, que vai aprendendo na prática como resolver as situações.

Na 6ª edição da pesquisa sobre o mercado de mídias sociais no Brasil, realizada por Ana Cláudia Zandavalle, os dados mostram que o as equipes que cuidam de comunicação em mídias digitais têm maior presença feminina (52% de mulheres para 48% de homens), especialmente nos cargos de coordenação. A maioria dos profissionais está na faixa dos 18 a 32 anos, mantendo o perfil mais “jovem” do setor, que se mantém assim desde 2014.

A formação mais comum é no curso de Publicidade e Propaganda, seguida pelas áreas de Jornalismo e outras relacionadas à comunicação. A pesquisa também detectou um aumento da busca por cursos livres, que possivelmente ajudam a capacitar para os desafios que esses jovens profissionais enfrentam no cotidiano. Entre os temas mais buscados estão “marketing digital” e “monitoramento de mídias sociais”. Entre as instituições mais buscadas estão a IBPAD, trespontos, ESPM, Quero Ser Social Media e Atlas Media Lab.

Novas mídias, novos desafios

A pesquisa também destacou o desafio que o Snapchat representa para esses profissionais, que apontaram o app como a plataforma mais desafiadora de trabalhar, especialmente pela dificuldade de medir e coletar dados.

Em contrapartida, o Instagram, que havia sido apontado como a rede mais desafiadora de 2015, agora parece ter se tornado uma rede mais tranquila de trabalhar, principalmente depois dos grandes investimentos das marcas nessa rede durante o ano de 2015, o que deve ter ajudado os profissionais a estabelecerem métodos de monitoramento. Ambas as redes apareceram em destaque também em um estudo recente da Kantar TNS, que mostrou grande crescimento de usuários em ambas as redes aqui no Brasil.

Além disso, um motivo de orgulho para o time do B9 foi ver a publicação mencionada entre as 10 principais fontes ou referências para quem trabalha no setor. Blogs de pesquisadores e profissionais referência, como Tarcízio Silva e Raquel Recuero, também apareceram entre as menções.

Confira abaixo a pesquisa na íntegra

Full disclosure: também sou editora de insights de Brasil no grupo Kantar.

Compartilhe: