Google Chrome vai notificar usuário sobre sites que não garantem a privacidade de suas informações

Nova atualização do navegador vai acusar falta de segurança nos sites que não usam o HTTPS, protocolo que garante a proteção dos dados do usuário

por Pedro Strazza

A GDPR, lei de proteção de dados que a União Europeia aprovou no fim de maio, segue mudando o modo de operação de empresas que trabalham diretamente com a internet. O exemplo mais recente vem do Google Chrome, cuja nova versão vai expandir os critérios de avaliação do browser para definir se uma página é ou não é segura ao usuário.

A novidade, no caso, é a presença de uso de HTTPS no julgamento desta apuração automática do navegador, parte do pacote de atualização intitulado Chrome 68 que foi disponibilizado hoje pelo Google. Sigla para protocolo de transferência de hipertexto seguro (Hypertext Transfer Protocol Secure, em inglês), esta tecnologia é usada por site para garantir que qualquer informação disponibilizada pelo usuário durante a navegação seja protegida do interesse de terceiros, estando automaticamente encriptada à partir do momento em que ela é enviada. À partir de hoje, se ela não existir no site o Chrome imediatamente avisará o usuário que a plataforma não é segura.

O HTTPS hoje é bastante comum na maioria dos sites, mas ainda não é uma presença dominante no meio online. De acordo com dados apurados por Troy Hunt, mais da metade do milhão de sites mais acessados hoje não conta com o protocolo, mantendo o uso do tradicional e não seguro HTTP (Hypertext Transfer Protocol, o protocolo de transferência de hipertexto comum) no lugar. Para os usuários, este déficit de atualização deixa-os em uma posição bastante vulnerável, fator que deve ter sido um dos principais na decisão do Google ao aumentar a rigidez da apuração de seu navegador.

Compartilhe: