Dossiê Aborto: monitoramento do tema nas redes sociais mostra que maioria contrária à descriminalização é homem

Discursos polarizados não abrem espaço para o debate, atesta análise de quase 45 mil menções ao tema em plataformas como o Facebook e o Twitter

por Soraia Alves

Embora a princípio o aborto pareça estar em um momento de maior debate, não é exatamente isso que a redes sociais apontam. A pedido do jornal O Globo, a agência nova/sb realizou um monitoramento do tema nas redes sociais entre os dias 13 e 22 de julho.

Chamado de Dossiê Aborto, o resultado da pesquisa mostrou que apesar de ser um assunto fortemente polarizado, o aborto ainda não é muito comentado nas redes sociais em geral. O estudo analisou 43.783 menções do tema e comprovou que dessas 68,9% dos internautas se mostram contrários à descriminalização do aborto.

A maior parte dos comentários sobre o assunto (61%) vem de homens. Desses, 69% são contrários à liberação da prática e 14% são a favor. Já 41% das mulheres são contrárias e 36% a favor – quase um empate técnico. O debate sobre a descriminalização do aborto nas redes se mostrou muito polarizado. As menções neutras em sua maioria são piadas ou notícias.

O tipo de menção mais frequente foi o das “opiniões”, com 49,6%. Nelas, 69% das menções foram contrárias, e 23% favoráveis. A pesquisa ainda mostra que os estados que mais falaram do tema foram Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, respectivamente. No Rio de Janeiro, foram captadas 4.311 menções. Naquelas em que houve um posicionamento, 28,9% foram favoráveis e 71,1% contrários.

Como comenta Bia Pereira, coordenadora do Comunica Que Muda, “Curiosamente, os homens são quem mais comentam um assunto que diz respeito diretamente à mulher. É uma pena que não exista uma discussão sobre aborto, apenas comentários polarizados”.

Compartilhe: