56 marcas assinam manifesto pela defesa dos direitos da comunidade transgênero nos EUA

Nike, Facebook, Uber e HSBC são algumas das empresas que assinaram o documento contra a proposta do presidente Trump para voltar a definir gênero legalmente como o sexo com o qual a pessoa nasce

por Pedro Strazza

56 empresas lançaram hoje (1) um manifesto conjunto em que declaram apoio à comunidade transgênero norte-americana e frente à notícia de que o atual presidente dos Estados Unidos Donald Trump pretende voltar a definir o gênero legalmente como o sexo com o qual a pessoa nasce. Além de desqualificar todo o movimento de afirmação da população, a proposta federal pode acabar com proteções legais dadas a pessoas transgênero e de identidade não-binária.

Entre as empresas que assinaram o documento intitulado “Business Statement for Transgender Equality” (algo como “Declaração empresarial pela igualidade transgênero”) estão a Adobe, a Airbnb, a Amazon, a American Airlines, a Apple, o Ben & Jerry’s, a Coca-Cola, o Deutsche Bank, o Facebook, o Google, o HSBC, a IBM, a Intel, o LinkedIn, o Lyft, o Marriott International, a Microsoft, a Nike, a PepsiCo, o Twitter e o Uber. Além deles, o manifesto em favor da comunidade tem o apoio de 14 organizações de defesa dos direitos LGBTQ+ (como a GLAAD e o Transgender Legal Defense and Education Fund), que reuniram as 56 marcas para assinar a declaração.

“Nós nos opomos a qualquer esforço administrativo e legislativo para erradicar proteções transgênero através da reinterpretação de leis e regulações existentes. Nós também somos fundamentalmente contra qualquer política ou regulação que viola os diretos de privacidade daqueles que se identificam como transgênero, de gênero não-binário ou intersexuais.” diz a declaração assinada pelas empresas, que justificam a posição contra Trump e sua administração pela comprovação de que o público trans é parte importante de suas estruturas em nível humano.

Leia abaixo a carta traduzida na íntegra ou a original em inglês aqui:

“Nós, as empresas abaixo assinadas, estamos com as milhões de pessoas na América que se identificam como transgênero, gênero não-binário ou intersexuais, e pedimos que estas pessoas sejam tratadas com o respeito e dignidade que todos merecem.

Nós nos opomos a qualquer esforço administrativo e legislativo para erradicar proteções transgênero através da reinterpretação de leis e regulações existentes. Nós também somos fundamentalmente contra qualquer política ou regulação que viola os diretos de privacidade daqueles que se identificam como transgênero, de gênero não-binário ou intersexuais.

Nas últimas duas décadas, dezenas de cortes federais afirmaram os direitos e identidades da população transgênero. Conhecedoras de um consenso médico e científico, estas cortes reconheceram que políticas que forçam as pessoas em uma definição de gênero binária determinada pela anatomia do nascimento falham em refletir a realidade complexa da identidade de gênero e da biologia humana.

Reconhecendo que a diversidade e inclusão são bons para os negócios e que discriminação impõe um enorme custo de produtividade (e exerce encargos indevidos), centenas de companhias, incluindo as abaixo assinadas, vem continuamente expandindo a inclusão de pessoas transgênero por toda a América corporativa. Atualmente mais de 80% da Fortune 500 tem claras proteções para identidade de gênero; dois terços tem cobertura médica inclusiva para transgêneros; centenas contam com grupos de pesquisa empresarial LGBTQ+ e aliados e esforços internos de treinamento.

A população transgênero é nossa amada família e amigos, além de valorosos membros de equipe. O que machuca as pessoas transgênero machuca nossas empresas.

Nós pedimos por respeito e transparência na decisão de políticas e igualdade perante a lei para toda a população transgênero.”

Compartilhe: