reed-netflix

A era da TV vai provavelmente acabar até 2030, aposta CEO da Netflix

Reed Hastings não arreda pé de que o streaming é o futuro da programação de TV

2.dez.2014

Ah, a TV. Tão poderosa hoje em dia, e em vias de encerrar logo mais a sua importância. Ou pelo menos assim é que Reed Hastings vê a situação.

Assim que a Nielsen Ratings divulgou que iria começar a contabilizar os programas assistido pela Netflix em suas medições mensais de televisão, Reed não viu nada demais nisso. Pode até ser uma modernização incrível para a NIelsen, mas o CEO da Netflix está super confiante no futuro do serviço, a ponto de especular quantos anos de glória ainda restariam para a TV como a conhecemos hoje.

“A era da TV broadcast vai provavelmente durar até 2030”, especula ele, fazendo uma curiosa comparação com a Netflix. “É como a época das charretes puxadas a cavalo, sabe? Era muito bom, até que veio o carro”, analisa ele, colocando a Netflix, obviamente, como o carro da história.

O problema principal reside no fato de que a Nielsen pretende contabilizar a Netflix de um jeito, no mínimo, estranho: a empresa vai capturar o áudio das televisões domésticas para determinar o que elas estão vendo, o que tira da conta quem está assistindo silenciosamente em seu tablet ou no seu notebook, usando fones de ouvido. Ou seja, apenas uma pequena fração do que é visto via Netflix aparecerá contabilizado pela Nielsen.

Uma medição capenga, mas que evidencia a necessidade da Nielsen de se adequar aos novos tempos. Se depender de Reed, eles precisam acelerar: 2030 tá ai!

Comente

  • Guilherme Rocha

    O Rádio ainda não acabou…

    • O título diz que a “era da TV vai provavelmente acabar”, e o texto diz “vias de encerrar logo mais a sua importância”.

      Não tenho mais visto TV como via antes. Filmes e séries, Netflix mesmo. Informação e jornal, tem na internet com mais rapidez.

      Então dá para ver que a TV está indo para o mesmo caminho do rádio. De fundo, em segundo plano, passando algo para não ficar um silêncio no ambiente. Algo com bem menos importância.

      • Marcos Vinícius

        Até por que o mundo eu sou parâmetro pro mundo todo..rsrs

        • kanedinha

          Não, mas um cara dono de empresa lá no norte do continente sabe que existe pessoas que pensam assim. Não só o Evandro, milhões!
          Eu ainda vejo tv para conhecer algum tema/programa novo, mas definitivamente não é o meio principal para assistir.
          Assim como ainda escuto rádio quando vou para jogos de futebol, enquanto tenho amigo que escuta rádio praticamente o dia todo.

          O fato de termos essa visão não quer dizer que o mundo vai ser realmente assim em 2030, porque “um ou outro” não assiste mais TV.
          É uma TENDÊNCIA que PODE acontecer porquê MILHÕES de pessoas estão pensando assim.

    • Mas a ERA do rádio já

    • Guilherme Rocha

      Eu acho que vai convergir.

  • ciromessias

    Honestamente torço muito por isso. Minha percepção é que esse 4º poder, exercido pela mídia, que por sua vez não se restringe apenas à TV, tem que perder força. E o conteúdo sob demanda acredito ser a ferramenta mais eficaz para combater isso. Se as pessoas quiserem continuar consumindo a mesma merda que já veem na televisão, será escolha de cada um.

    • 98% invisível

      Quem dera a tendência fosse essa…

      Com o crescimento da capacidade de “supervisão”, o desenvolvimento exponencial dos algoritmos, a concentração e “auto-fechamento”
      em suas próprias bolhas o poder de controle só tende a aumentar. E, pior, passaremos a achar que não estamos sendo controlado… Afinal, “eu escolho o que quero assistir” (sqn).

  • pedroq

    acabar é difícil até por as mesmas estarem se adaptando a internet, mas o conteúdo realmente vai ter de ser revisto pra agregar essa nova geração. é até engraçado ver a platinada batendo a nave pra tentar criar novos conteúdos, vendendo a ideia de um jornal passando as 5h da manhã como algo inovador…

  • Spectreman

    Star Trek TNG was right.

  • Patrícia

    Nossa, acho que tem mais de 5 anos que nem ligo a TV. Minha irmã vê todo dia, e só a Globo. Acho que ela parece um Zumbi. =)

    Quando alguém comenta de algo acabo buscando na internet. E hoje já me imagino morando tranquilamente em um apartamento sem precisar me preocupar em comprar uma TV.

    Existem tb as velhas placas receptoras de TV pra PC, pra quem queira assistir.

    Acho que ainda vão sacar que os aparelhos de TV poderão ser tranquilamente substituídos por computadores, e a internet vai competir mais forte pela atenção.

    • Daniel

      Hoje existiem aparelhos de TV com acesso à internet, as smartTVs. Já tem muita gente que acessa netflx, youtube pela TV. Acho que no futuro internet e TV serão integradas e não uma substituir a outra. Pra assistir filmes, séries e futebol ainda acho bem mais agradável ver numa tela maior, sentado confortavelmente no sofá. Pra assistir junto com alguém tbm é bem mais adequado uma TV do que ver no computador. Então quem ainda assiste TV, seja de forma convencional ou integrada a internet, ainda faz isso por prefêrencia mesmo e não pq não sacou que pode fazer isso por outros aparelhos. A TV convecional só vai acabar de vez no Brasil quando todos tiveram acesso à internet de alta velocidade e isso ainda vai demorar pra acontecer.

      • Patrícia

        Bom, se eu tou ligando minha TV pra ver o Netflix com namorado, do mesmo jeito eu não tou vendo TV tradicional.

        E do mesmo jeito meu hábito de uso mudou, eu não quero mais passar o dia inteiro passivamente em frente a um aparelho, eu quero fazer coisas diferentes, ou seu vou sair dele ou eu vou fazer outras coisas com ele.

        E a chance dessas outras coisas serem “assistir ao Faustão” são cada vez menores.

  • Luiz Fernando Rocha

    Mais uma grande bobagem, mais uma irresponsabilidade capaz de fazer muita gente queimar – e redirecionar – seus sagrados neurônios por nada.

    O crescimento de uma mídia, neste caso, o computador, não implica necessariamente no fim de uma outra, tão – ou mais – poderosa quanto. Para quem não sabe, o RÁDIO continua PODEROSO, IMPACTANTE e IMPORTANTE. Livros impressos jamais acabarão. E a TV , cada vez mais e mais, sente a importância de se reinventar. Por isso, CONTEÚDOS muito interessantes são gerados, como, por exemplo, pela ENDEMOL. E por que nosso amigo projeta esta bobagem para 2030? ISSO NÃO PASSA DE UMA IRRESPONSABILIDADE !

    • Marcos Vinícius

      Fale por você amigo, eu nao vejo TV faz anos, não acho que seja irresponsabilidade, acho que ele está por dentro, bem mais por dentro do mercado que você, O CARA É O DONO DO NETFLIX!!!!! Nos EUA é muito comum assinar serviços de streming, se vc acha que aqui é moda , lá é epidemia…procure se informar, ou faça um jornal pra você…rsrrs

      • Luiz Fernando Rocha

        Bom, primeiramente, um profissional de comunicação que não assiste a TV há dez anos não tem credibilidade alguma. Sou publicitário, de criação, e já na faculdade aprendemos que TODAS AS MÍDIAS são importantes. Pelos seus comentários, faz 10 anos que você não se informa. Você não sabe, mas, nos últimos anos, a audiência do RÁDIO, só no Brasil, cresceu em torno de 15%. Por isso que A VOZ DO BRASIL nunca vai – nem deve – acabar, pois atinge um público que só tem acesso a este meio. Achar que o crescimento de uma mídia irá, necessariamente, ACABAR com a outra é despreparo demais, amigão! (rs). A palavra-chave é CONVERGÊNCIA ( web+rádio, web+TV (aberta e a cabo), web+jornal, e por aí vai). Você também não deve saber, mas as EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO não trabalham e INVESTEM baseadas em ACHISMOS (como o seu), mas, sim, em PESQUISAS. E estas apontam um crescimento cada vez maior da audiência de TV a cabo. Como você não assiste TV há 10 anos, gostaria de te informar que. CADA VEZ MAIS, investimentos em NOVOS CONTEÚDOS E CANAIS acontecem, no mundo e no Brasil. FOX, GLOBOSAT, BAND, HBO, DISCOVERY E NAT GEO são ALGUNS exemplos que mostram isso. Daqui a 15 anos, teremos AINDA MAIS CANAIS e AUDIÊNCIA, até, porque, a SEGMENTAÇÃO é outro fator: surgem e surgirão canais só de esporte, culinária, bem-estar…assim como, canais com programação para crianças, idosos, jovens, gays…Ou seja: não falo por mim ou por você, falo baseado NAS PESQUISAS E NOS INVESTIMENTOS. A obrigatoriedade, por lei, de TODOS OS CANAIS DE TV A CABO DAQUI PRODUZIREM CONTEÚDO NACIONAL aumentou ainda mais a audiência. E MAIS: ISSO REPINGOU BENEFICAMENTE, TAMBÉM, NO MERCADO DE CINEMA. Você sabia? (rs) Se você se CONTENTA em assistir ao conteúdo Netflix, ok. Eu, particularmente, acho a maior parte um lixo (séries americanas e blockbusters enlatados). Canais como Arte1, Curta! e Globosat+ são ótimas novidades da TV a cabo – outras, COM CERTEZA, neste momento, estão sendo estudadas e surgindo. Outra coisa que você não deve saber é que o acesso à INTERNET no MUNDO ainda é de 40%, bem menos do que muitos “especilalistas” dizem. OS LIVROS IMPRESSOS (graças a Deus!) jamais acabarão: um e-book faz mal aos olhos (provado cientificamente), pode acabar a bateria, atrai muito mais um ladrão…eu prefiro muto mais ler no papel. Quem disse que os PCs substituiriam os livros, se deu mal. DAQUI A 15 ANOS, a TV estará ainda maior e mais poderosa. Quem se informa, sabe disso.

  • Agenor Santos

    Isso não vai acontecer como pensa esse rapaz. O jornal impresso rádio também erá
    esse falatório. Mas tudo é adaptável a nova geração.