Deadpool Happy International Women's Day

Chegou o briefing de Dia da Mulher, e agora?

O que é preciso ter em mente para a sua empresa ou agência participar (com propriedade) dessa data

25.fev.2016

A essa altura, o briefing de comemoração do Dia da Mulher já deve ter chegado a muitas agências. Como estamos em 2016, todo mundo já deve saber que dar flores e parabéns nessa data não é exatamente a homenagem mais adequada. Muito menos colocar lava-louça em promoção.

Diferente do Dia das Mães, dos Pais e dos Namorados, o Dia da Mulher não é uma data comemorativa: é uma data de luta. Ele foi criado em 1910 no contexto das lutas feministas por melhores condições de vida e trabalho, bem como pelo direito de voto. Em dezembro de 1977, o Dia Internacional da Mulher foi adotado pelas Nações Unidas, para lembrar as conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres.

Mais recentemente, as empresas passaram a ver nesta data uma oportunidade comercial, seja mostrando que valorizam suas funcionárias ou homenageando suas consumidoras. Porém, por falta de repertório, as homenagens acabaram esvaziadas do significado da data.

O Dia da Mulher não é uma data comemorativa: é uma data de luta.

compartilhe

Não faz sentido das parabéns às mulheres apenas por serem mulheres: essa não foi exatamente uma escolha nossa. E, se pensarmos que uma mulher morre a cada 90 minutos no Brasil vítima de feminicídio, as flores talvez fizessem mais sentido em coroas fúnebres.

Com isso em mente, como a sua empresa ou agência pode participar dessa data?

O primeiro passo é olhar para dentro e se perguntar: o que eu estou fazendo para promover a igualdade de gêneros? Tenho mulheres em postos de liderança? Pago os mesmos salários para homens e mulheres que fazem o mesmo trabalho? Meu ambiente de trabalho é seguro para as mulheres?

Se a resposta for negativa, uma ótima ação para ser lançada no Dia da Mulher é uma revisão das políticas da empresa. Pode ser um programa de coaching para que as mulheres cheguem aos lugares de poder, pode ser um treinamento para que os homens aprendam a dar oportunidades e voz às colegas, uma campanha de conscientização sobre assédio moral e sexual. Só não vale deixar flores e um cartão com “parabéns” na mesa das moças, que isso não vai resolver nada.

Agora, se a sua empresa não tem nenhum telhado de vidro e quer fazer uma campanha de Dia da Mulher, utilizando esta data como forma de se aproximar do público feminino, o caminho é relembrar o significado deste dia. As campanhas devem passar necessariamente pelas lutas feministas e, de preferência, longe de qualquer apelo comercial. Afinal, nenhuma marca quer passar por oportunista, certo?

Ajuda muito se você conseguir dar visibilidade às mulheres invisíveis: as negras, as gordas, as lésbicas, as trans, as idosas e as mulheres de periferia, por exemplo.

Nesta data, muitos coletivos e organizações farão ações e eventos e estão em busca de patrocínio. Sua marca ganha ainda mais pontos de credibilidade ao se associar a estas entidades e ajudar as ações e eventos a acontecerem.

Uma empresa se associar ao Dia da Mulher sempre será um assunto sensível, já que é se apropriar de um momento importante para os movimentos sociais. Mas, com respeito ao significado da data, é possível usar a voz da sua marca para amplificar as mensagens e reivindicações de quem luta pelos direitos das mulheres todos os dias.

Comente

  • Douglas Mendes

    Thais, parabéns pelo texto! Quase cai na tentação de dar os parabéns às mulheres! Pode ter certeza que agora vou alterar todos os Briefings da agência e trazer mais representatividade da data!

  • Victor Seiti Yonemura

    Assunto mais que pertinente, Thais =D

    E parabéns pelo B9 pela publicação. Precisamos que mais pessoas se conscientizem da importância dessa data e da luta das mulheres.

  • Confesso que atualmente é tanto mimimi que dá até medo de abrir a boca no dia das mulheres…

    • Diogo Batalha

      Então não abra. Escute o que elas tem a dizer ;)

      • Ra’z al ghal

        Nossaaaaaaaa ahuahuahua

        André, perdeu a chance de ficar calado.

    • Feco Porto

      Que ótimo! Que tenha mais mimimi’s. Quem sabe uma hora você não escuta, né?!

  • Gaby Fernandes

    Da vontade de sair mandando esse texto pra tudo quanto é lugar.

    Ja trabalhei em agência que eu mesma tive de fazer uma “homenagem” para as mulheres, daquelas genéricas mesmo, porque meu chefe (na época) não se pronunciou a nada. O que fez foi mandar um “parabéns” no inbox. Sem contar que um belo dia falou que ter mulher na agência só dava prejuízo a ele porque se alguma engravidasse ele ia ter que nos bancar pra ficar em casa. Sim, isso é real.

    • Kaio Cezar

      Do tipo de não poder trabalhar de short porque atrapalha a atenção dos homens?

      • Gaby Fernandes

        Nem short, nem vestido, nem bermuda. Só calça.

    • Nem me fale! A mão de marcar no compartilhamento chega a tremer! Eu era analista de marketing, novata, em uma empresa e lidava diretamente com o gerente adminstrativo. Um dia presenciei uma reunião dele com outros gerentes resolvendo escala pq duas moças que eles contrataram tinham engravidado. Já estava com raiva daquela conversa pq eles não paravam de falar em como elas não tinham o direito de fazer isso e todo tipo de absurdo! Até que o responsável virou pra mim e disse: Você não tá grávida, né? Vamos logo resolver isso! Eu era tão boba e pouco ciente de mim mesma que não consegui responder aquilo da forma correta na hora. Mas a partir desse dia percebi onde eu estava de forma muito clara!

  • Aline Lacerda

    E apesar de serem datas comemorativas, dias das mães tbm só tem campanha machista. Em maio, lavadouras e frigideiras em promoção, em agosto, celulares e tvs… #NãoPassarão

  • Guilherme da Silva

    Thais, parabéns pelo texto!
    Quais são as iniciativas que estão procurando apoio das empresas? Seria legal citar algumas aqui e o contato (caso você saiba).
    Obrigado e parabéns pelo trabalho, mais uma vez.

  • Ricardo Oliveira

    Texto importante, muito importante. Eu só me tremo com esse rigor da frase “As campanhas devem passar necessariamente pelas lutas feministas”. Bom, eu acho até que podem passar. Mas daí dizer que TEM que, é uma pretensão e tanto. Enfim, só um detalhe.