Clicky

Na briga por espaço no streaming, YouTube torna gratuito parte de seu conteúdo original

Na briga por espaço no streaming, YouTube torna gratuito parte de seu conteúdo original

Catálogo do YouTube Premium será parcialmente disponibilizado de graça na plataforma com exibição prévia de anúncios

por Pedro Strazza

O YouTube mantém desde 2016 o YouTube Premium, que anteriormente conhecido como YouTube Red (e só em tempos recentes chegou ao Brasil) serve como lar para todo conteúdo original produzido pela plataforma. Até então, o serviço de assinatura dependia da condição de você pagar uma mensalidade entre 16 e 30 reais para ter acesso às séries e filmes do site, que incluem entre outros o “Cobra Kai” que é a continuação oficial de “Karate Kid” – uma metodologia, convenhamos, padrão para serviços de streaming como a Netflix e a Amazon Prime.

A ideia de seguir o modelo tradicional de assinatura, porém, está passando por revisões dentro do YouTube, que agora considera com certa seriedade liberar seu catálogo para quem não é assinante sob a condição de aturar a sua já tradicional leva de anúncios. Presente em 29 países e com mais de 50 produções originais lançadas, os autointitulados YouTube Originals querem agora algo que eles não tem muito até o momento: popularidade.

“A próxima fase de nossos Originais é expandir a audiência dos criadores do YouTube Originals e providenciar aos anunciantes um conteúdo incrível que alcança toda a geração YouTube” declara um porta-voz da empresa no anúncio. O plano, pelo visto, é dar um gostinho dos projetos para incentivar a assinatura do serviço pago, já que nem todos os programas vão ser disponibilizados gratuitamente. O próprio “Cobra Kai”, por exemplo, só terá a primeira temporada liberada a quem não paga o YouTube Premium, mantendo seu segundo ano “guardado” no serviço – e a estratégia se repete para “Impulse”, outro seriado de destaque no catálogo do Premium.

Embora não se saiba exatamente quantas pessoas pagam o serviço do YouTube, esta nova metodologia mostra que o YouTube está disposto a ganhar espaço no mercado de streaming com suas produções, mesmo que para isso ele tenha que deixá-las temporariamente gratuitas para “pegarem”. Em setembro, a chefe global de conteúdo original da plataforma Susanne Daniel declarou à AdWeek que a ideia era valorizar o assinante enquanto fazia crescer o serviço: “Eu acho que deveriam haver alguns benefícios para quem é um membro Premium que vão além do binge watching. Então nós damos acesso a certas coisas como cenas extras e shows especiais que só podem ser acessados depois de ultrapassado a paywall” afirmou a executiva na época.

Compartilhe: