Philadelphia quer que você pare de mergulhar o mesmo aperitivo duas vezes no molho neste Natal

Marca de cream cheese afirma ter criado uma cumbuca tecnológica que detecta quando alguém resolve praticar o ato nefasto (mas muito provavelmente é tudo papo da divulgação)

por Pedro Strazza

Todo fim de ano é a mesma coisa: na ceia de Natal, disfarçado entre os entusiastas de Chester e os tios do “É pavê ou pacumê”, está o meliante que adora mergulhar duas vezes o mesmo aperitivo no molho. É uma prática nefasta e que vai contra os hábitos mais básicos de higiene, já que o maléfico ser humano por trás deste crime mergulha o salgadinho (ou o que quer que seja) numa das opções de condimentos dispostos na mesa, come metade e depois se serve de novo do mesmo molho – quando não diferente! – com o alimento comido e contaminado com sua própria baba, pouco se lixando para a refeição de outros integrantes da celebração!

É este absurdo de extremo mau-caratismo que a Philadelphia está querendo resolver nas festas de 2018 com uma ajudinha da tecnologia. Em parceria com a Droga5, a marca pertencente à Kraft Heinz lançou recentemente o Double Diptector, um aplicativo que mistura a câmera dos celulares smartphone tradicionais com uma tigela com conexão Wi-Fi para detectar o momento em que criminosos do tipo resolvem se servir de molho duas vezes com o mesmo aperitivo.

O aparato a bem da verdade está sendo usado pela marca de cream cheeses apenas para divulgar sua campanha de Natal (veja acima) que divulga o mais novo item de sua linha de molhos, o Jalapeño Cheddar, mas a tecnologia pelo visto existe mesmo. Tanto que um protótipo do Double Diptector está à venda no eBay, onde há pouco mais de dois dias do fim de seu leilão está sendo comprado por um usuário pelo valor meio abstrato – porque convenhamos, no fim é só uma tigela – de 415 dólares.

Tanto a Philadelphia quanto o criador não divulgaram maiores detalhes sobre como a tecnologia do Diptector funciona, mas ambos garantem que a cumbuca detecta mudanças de pressão em sua superfície e consegue identificar e distinguir os movimentos usados tipicamente pelas pessoas que adoram fazer o “double dip” – mesmo que estas ações em si também não tenham sido divulgadas.

Ainda que tudo soe como uma gigantesca mentira de perna curta e a cumbuca no fim só seja, bem, uma cumbuca, não dá pra dizer que o alarme feito pela marca não é bem intencionado. Afinal, ninguém merece comer baba alheia na ceia de Natal.

Compartilhe: