Facebook pagou para monitorar celulares de jovens de 13 a 25 anos

Empresa pagou mensalidade de U$ 20 dólares para instalar aplicativo que tinha acesso total aos aparelhos

por Matheus Fiore

A maré de polêmicas que persegue o Facebook desde o escândalo da Cambridge Analytica parece não ter fim. Dessa vez, foi descoberto que a empresa de Mark Zuckerberg pagou mensalidades de vinte dólares para ter acesso aos celulares de adolescentes e jovens adultos e monitorar suas atividades.

Segundo o TechCrunch, o Facebook estava realizando o experimento com jovens entre 13 e 25 anos, pagando-os para instalar um aplicativo chamado Facebook Research. O aplicativo monitora os aparelhos e cria um relatório que é enviado para o próprio Facebook.

Anteriormente, o Facebook já coletou dados por meio do projeto Onavo, um serviço de VPN que foi adquirido em 2013. Na época, o projeto foi utilizado pela empresa para detectar o surgimento de novos competidores no mercado e, então, comprá-los. Após reclamações da Apple, o Facebook foi obrigado a remover o aplicativo da Appstore, por violar os termos de uso da loja.

Ao ser instalado, o Facebook Research pede que o usuário ceda permissão para que sejam instalados programas que dão ao Facebook o poder de acessar as mensagens, e-mails, históricos de pesquisa e de navegação do celular. Ao ser procurado pelo TechCrunch, o Facebook confirmou o uso do aplicativo.

Vale lembrar que, em setembro de 2018, uma pesquisa mostrou que o Facebook estava perdendo popularidade entre o público jovem – entre esse público, entre 2012 a 2018, o uso da rede social caiu de 68% para 15%. Portanto, não surpreende que a empresa esteja monitorando justamente adolescentes e jovens adultos, a fim de identificar quais aplicativos estão em ascensão e comprá-los, como fez com o Instagram – ou até mesmo copiá-los, como fez com o sistema de story que é idêntico ao do Snapchat.

Compartilhe: