Pesquisa aponta que mudanças climáticas se tornaram maior preocupação global

Poder e influência dos Estados Unidos também são vistos como alarmantes em diversos países

por Matheus Fiore

O Pew Research Center, famoso instituto de pesquisa norte-americano, publicou uma nova pesquisa mostrando que globalmente a preocupação das pessoas com as mudanças climáticas está cada vez maior, superando as expectativas e índices de anos anteriores.

Para chegar ao resultado da pesquisa, o instituto entrevistou mais de 27 mil indivíduos entre maio e agosto de 2018. O levantamento foi feito em 26 países, incluindo Rússia, Canadá, Argentina e Nigéria. Curiosamente, nos Estados Unidos, há outras preocupações que mobilizam mais pessoas do que as mudanças climáticas. Os americanos temem em primeiro lugar, por exemplo, possíveis ataques cibernéticos de outros países.

Ao lado de países como Canadá, México, Argentina e Austrália, o Brasil aparece entre as nações que listam as mudanças climáticas como sua maior preocupação. No Brasil, o fato de discussões sobre a Amazônia e sua preservação sempre estarem em pauta pode ser um fator relevante para o crescimento da preocupação da população.

A pesquisa apresenta números com fortes indicativos desse crescimento na preocupação mundial. Na pesquisa de 2013, por exemplo, 56% dos entrevistados pelo mundo demonstraram preocupação com as mudanças climáticas, enquanto em 2018, o número já subiu para 67%.

A preocupação com ameaças como ciberataques e a crise nuclear norte-coreana também cresceram nos últimos anos, indo respectivamente de 54% (2017) a 61% (2018) e de 47% (2013) a 55% (2018). Por outro lado, o medo de ataques promovidos pelo Estado Islâmico caíram de 66% em 2017 para 62% em 2018.

O índice que mais disparou foi o de pessoas preocupadas com o poder e a influência dos Estados Unidos em assuntos globais. Se em 2013, apenas 25% das pessoas entrevistadas viam o país como uma grande ameaça global, em 2017 o número já subiu para 38%, e em 2018, chegou a 45%. Não é por acaso que tal número tenha disparado após a eleição de Donald Trump: diferente de seu antecessor, Barack Obama, o atual presidente estadunidense se posiciona de forma constante e polêmica quando o assunto passa por crises políticas internacionais.

Compartilhe: