Facebook não desmente história sobre moderadores de conteúdo, mas promete maior controle

Empresa não desmentiu as denúncias feitas em novo relatório, que aponta o quão nocivo para a saúde mental são os cargos de moderadores de conteúdo na plataforma

por Soraia Alves

Um novo relatório do The Verge aponta as condições de trabalho nada saudáveis dos moderados de conteúdo do Facebook. É sabido que o controle de conteúdos proibidos na plataforma é feito por uma mistura de trabalho humano e ferramentas que usam inteligência artificial, e a reportagem do The Verge mostra o quanto trabalhar com esse material diariamente é nocivo para a saúde mental dos moderadores.

No relatório que detalha as condições de trabalho, vemos que esses funcionários lidam o tempo todo com temas como sexo, drogas e discursos de ódio, sempre em versões nada leves. O treinamento inicial para se tornar um moderador de conteúdo do Facebook é tão intenso, que algumas pessoas “falham no programa antes mesmo de começar”.

Um dos grandes problemas apontados é a falta de um bom time de profissionais que lidam com saúde mental para dar suporte a esses moderadores. Há casos, por exemplo, que o funcionário passou a levar uma arma para o trabalho com medo de presenciar algum surto de um colega. Em outro caso citado na reportagem, funcionários começaram a acreditar nas teorias da conspiração que deveriam estar moderando e eliminando da plataforma.

Depois do relatório, o vice-presidente de operações do Facebook, Justin Osofsky, divulgou um comunicado que não cita que a reportagem em si, mas responde à ela garantindo que a empresa está comprometida “em trabalhar com nossos parceiros para exigir um alto nível de apoio a seus funcionários”.

Justin lembra que grande parte desse trabalho é feito através de empresas parceiras do Facebook, como a Cognizant, onde os casos citados teriam acontecido: “Essas parcerias são importantes porque nos permitem trabalhar com empresas estabelecidas que têm uma competência essencial nesse tipo de trabalho e que podem nos ajudar a melhorar rapidamente o suporte a idiomas e localização”.

Através do comunicado, o Facebook também se compromete a melhorar as condições de trabalho de seus funcionários, padronizando seus contratos e buscando um feedback dos mesmos. A empresa também diz estar criando uma “linha direta de denúncias” para facilitar o processo verificação de conteúdos impróprios na plataforma.

No fim, a empresa não negou de fato as acusações, só prometeu melhorar as condições de trabalho dos moderadores de conteúdo.

Compartilhe: