“Romeu e Julio”: Novo comercial do Uber trata de casamento gay afetado por outras questões familiares

Anunciar que vai se casar, desta vez, traz problemas diferentes ao almoço de domingo com a família

por Pedro Strazza

A situação “Romeu e Julieta” é uma premissa que a publicidade (bem como a cultura pop inteira) nunca vai cansar de usar, pelo visto. O truque é saber usar a história a seu favor, e o novo comercial do Uber é um bom exemplo de como fazer isso acontecer.

Isso porque a peça “Romeo y Julio” é uma comédia disfarçada de tragédia com sagacidade. Na história, acompanhamos um casal gay anunciando para suas respectivas famílias que vão se casar e precisando lidar com as consequências do ato. Mas se os desdobramentos a princípio sugerem para uma questão de preconceito e homofobia, o comercial de quase quatro minutos revela que o problema é bastante diferente do que se espera em casos assim. Confira acima.

Criado pela espanhola Shackleton (uma das várias agências adquiridas pela Accenture Interactive ao comprar a Droga5, vale acrescentar), o vídeo na real está aproveitando um momento decisivo para a população de Sevilha, na Espanha, que no próximo sábado, dia 13 de abril, irá assistir mais uma partida das duas maiores equipes locais, o Sevilla e o Real Betis. Daí a ideia para se promover uma mensagem de reconciliação, que coincide entre o pressuposto de dificuldades enfrentadas pelo público LGBTIQ+ para sair do armário perante a família e as rivalidades esportivas que levam a atos de violência gerados por motivos idiotas – o que, no caso, envolve bastante a região de Sevilha, que nestas épocas de dérbi se vê rachada ao meio por conflitos.

“Nós queríamos nos envolver com esta campanha porque nós dividimos os valores que os clubes estão promovendo.” declara o diretor do Uber na Espanha, Juan Galiardo, sobre a campanha; “Nós acreditamos que é importante por um fim às atitudes conflituosas e escapar por completo da mentalidade do confronto. Nós precisamos entender que, em muitos casos, as coisas que temos em comum são muito maiores que aquelas que nos separam, e o futebol é um palco ideal para deixar isto claro”.

Compartilhe: