Após tragédia, Uber e Lyft implementam novas diretrizes de segurança

Novidades visam conscientizar usuários e impedir fraudes de motoristas

por Matheus Fiore

Em março de 2019, uma jovem foi encontrada morta após entrar em um carro que acreditava ser o motorista de Uber que havia chamado pelo celular. O criminoso havia se passado por um motorista de aplicativos para sequestrar a mulher. Após a tragédia, a Uber e a Lyft apresentaram mudanças em suas diretrizes de segurança para melhor proteger seus clientes.

A novidade da Uber se chama Campus Safety Initiative (algo como”iniciativa segurança no campus”), que trará novas funcionalidades ao app. Atualmente, as novidades ainda estão sendo testadas, mas elas consistem em uma lista de medidas de segurança a ser seguidas pelos clientes, como sempre checar a placa, o modelo e a cor do veículo, além de verificar se o nome e a foto do motorista são os mesmos apresentados no aplicativo.

Atualmente, as novidades estão sendo testadas na Carolina do Sul, em parceria com a University of South Carolina, mas há planos para expandir para todo o país. Trata-se apenas, claro, de um período de testes para saber se as novidades funcionarão e serão bem aceitas pelos usuários.

Em paralelo a isso, a Lyft implementou um sistema que semanalmente checa o histórico de seus motoristas – vale lembrar, a Uber já possui um sistema semelhante. A empresa também melhorou seu sistema de verificação de motoristas, combinando os dados do cadastro com os dados da carteira de habilitação.

Ambas as medidas são importantes. Enquanto a Uber garante que os clientes terão mais segurança ao embarcar em uma viagem, pois poderão checar quem de fato são os motoristas, a Lyft agora tornará praticamente impossível que um motorista fraude sua identidade.

Os problemas com aplicativos de transporte, porém, não são novidade. Recentemente, a CNN fez uma pesquisa e descobriu que há, nos Estados Unidos, pelo menos 103 motoristas de Uber acusados de assédio ou abuso. Medidas como as tomadas pela Uber seriam importantes também no Brasil, já que este é o aplicativo de transportes mais utilizado no país. É de se esperar, portanto, que caso as novidades funcionem plenamente nos Estados Unidos, a empresa expanda para o resto do mundo.

Compartilhe: