uber-barcelona

Viagens de Uber poderão ficar até 80% mais baratas na próxima década

Concorrência e serviços de veículos autônomos tornariam o mercado mais disputado e portanto reduziriam os preços para o usuário

por Matheus Fiore

Aplicativos de transporte como Uber e Lyft tomaram as rédeas dos serviços de transporte na atual década. A ascensão de serviços mais simplificados e ao alcance de um toque na tela do smartphone aqueceram um novo mercado e, de quebra, entregaram maiores opções de transporte para viagens de curtas distâncias.

Tais aplicativos, porém, ainda são criticados por oferecerem um serviço abaixo do esperado se levarmos em conta os valores cobrados pelas viagens. Um estudo feito pelo UBS Group, porém, indica que no futuro viagens por aplicativos de transportes tendem a se tornar muito mais baratas.

A Uber e a Lyft, juntas, valem em torno de 80 bilhões de dólares hoje. Levando em conta o crescimento do mercado de aplicativos de transporte e a ascensão dos veículos autônomos, o estudo aponta que, até 2030, haverá um mercado de táxis autônomos que valerá em torno de 2 trilhões de dólares.

Essa competição e aumento na variedade de formas de oferecer o serviço de transporte impactarão diretamente no custo de tais viagens. A estimativa é que, na próxima década, aplicativos como o Uber oferecerão serviços ainda melhores, mas com um valor até 80% mais barato, já que estarão em um mercado muito mais competitivo do que o atual, como aponta o Business Insider.

“Os atuais preços pagos por passageiros poderão cair mais de 80% e se tornarem mais baratos até mesmo do que uma passagem de metrô”, afirma o time de análise no relatório publicado no dia 22 de maio. “Nesse cenário, uma frota de taxis autônomos geraria uma margem de lucro saudável de mais de 30%”.

Apesar da projeção otimista, viagens por veículos autônomos ainda parecem distantes da nossa realidade, principalmente pelo fato de que tais mudanças exigem também uma reformulação completa na legislação de trânsito. Na Califórnia, porém, veículos autônomos já estão sendo testados em vias públicas desde 2018.

Compartilhe: